Que atire a primeira pedra quem não cometeu um único excesso no mês de dezembro: entre os vários jantares festivos da empresa e do grupo de amigos, a ceia de Natal, o almoço de dia 25 e a passagem de ano, é bem provável que tenha exagerado no consumo de álcool.

Chega janeiro e existe uma necessidade de fazer um detox ao organismo. E é exatamente por isso que a tendência “dry January” tem adquirido cada vez mais adeptos. É tão simples como passar o primeiro mês do ano sem consumir álcool — e os especialistas afirmam que pode ser uma boa estratégia para compensar os excessos da época de festas.

“Esta tendência de abstinência mensal após uma época em que existiu um abuso importante de bebidas alcoólicas pode ser benéfica em termos compensatórios de uma série de mecanismos, tais como a recuperação do fígado”, explica à MAGG José Carlos Almeida Nunes, especialista em medicina interna no Hospital Lusíadas Lisboa.

Estudo. Afinal nem um copo de vinho por dia faz bem

De acordo com o médico, passar o mês seguinte aos excessos em abstinência pode ser muito positivo, principalmente em termos de regeneração e reparação do organismo. “O álcool tem uma abrangência universal no nosso corpo todo, não podemos pensar só no fígado. Tem um grande efeito no sistema nervoso central, afetando funções cognitivas e intelectuais”, refere José Carlos Almeida Nunes.

José Carlos Almeida Nunes, especialista em medicina interna no Hospital Lusíadas Lisboa

Caso opte por suspender o consumo destas bebidas durante um período mais ou menos alongado, como um mês, o especialista garante que existirá “uma recuperação em relação ao passado recente, sendo uma boa estratégia para compensar os excessos”.

A redução do álcool tem vários benefícios

Mesmo que seja um grande adepto de um bom vinho ou delire com um gin tónico cheio de especiarias, é importante que consuma este tipo de bebidas com moderação, tudo em nome da sua saúde.

“Atualmente, uma grande percentagem das pessoas ou é obesa ou tem excesso de peso, e o álcool é, por definição, um consumo muito calórico”, salienta o médico, explicando que caso reduza as bebidas alcoólicas da sua dieta, “vai seguramente reduzir o peso”.

Para além do peso corporal, o consumo deste tipo de bebidas também está associado a outros fatores. “Se beber menos, vai ter uma maior capacidade de concentração e mais capacidade de trabalho”, afirma José Carlos Almeida Nunes, que considera a redução do consumo alcoólico “francamente benéfica do ponto de vista psicomotor e calórico”.