Arrasta criança autista pelos corredores mas garante que é inocente

Trina Abrams declarou-se inocente esta quarta-feira, 9 de janeiro, em tribunal. O caso remonta a outubro e o vídeo é chocante.

Foi a mãe da criança que decidiu partilhar o vídeo no Facebook

Com a mão direita a prender os pulsos de uma criança autista com apenas 9 anos, Trina Abrams foi apanhada a arrastar pelos corredores da escola o pequeno Alan Jackson. As imagens chocantes foram captadas pelas câmaras da Wurtland Elementary School, no Kentucky, Estados Unidos, num caso que remonta a outubro mas só foi divulgado agora.

Foi a mãe da criança que decidiu partilhar o vídeo no Facebook. A 6 de janeiro, Angel Nelson decidiu mostrar as imagens da alegada agressão nas redes sociais em busca de “ajuda e conselhos”. A 24 de outubro, conta, a professora Trina Abrams arrastou o seu filho autista pela escola durante um ataque — algo que acontece ocasionalmente tendo em conta a doença da criança.

Posted by Angel Nelson on Sunday, January 6, 2019

“Ela agarrou-o pelos pulsos e puxou-o pelo corredor de uma sala de aula para a outra, de acordo com as imagens da escola (…). Segundo o meu filho, ela atirou-o com força para a cadeira. Além disto, nunca saberemos o que se passou atrás daquela porta fechada devido às limitações da fala do meu filho. O incidente foi violento o suficiente não só para magoá-lo, como também para destruir os seus sapatos.”

Em comunicado, o Distrito Escolar do Condado de Greenup disse que, após o incidente, os pais foram imediatamente chamados à escola e o estudante avaliado pela enfermeira. A professora foi afastada quando a investigação começou e os Serviços de Proteção à Criança e o Conselho de Normas de Educação de Kentucky contactados.

Como se declara? Inocente

Trina Abrams foi acusada de agressão e intimada a comparecer em tribunal esta quarta-feira, 9 de janeiro. Declarou-se inocente. Na publicação de Angel Nelson, a mãe da criança já tinha afirmado que a professora achava que tinha agido corretamente. “Ela diz que ela estava a prevenir que ele se magoasse, mas isso não bate certo com as suas ações no vídeo. O meu filho merece justiça.”

Angel Nelson também acredita que deveria haver mais câmaras na escola, nomeadamente nas salas de aula — neste caso específico, as imagens teriam sido essenciais para compreender o que aconteceu quando a professora sentou o aluno na cadeira.

Duas semanas depois do incidente, Alan Jackson foi transferido para outra escola. Estava em Wurtland Elementary School há apenas um mês.

Angel Nelson e os filhos

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]