O seu pai, irmão, mãe, avó ou namorada queixam-se mais das costas, dos ossos e ou dos joelhos no inverno. O lamento é real, porque a dor existe e intensifica-se na época do frio. Há razões para isto acontecer, de acordo com o que explica Luís Teixeira, ortopedista e presidente da Spine Matters — Proteja a sua Coluna, uma associação sem fins lucrativos. “As temperaturas baixas aumentam um diagnóstico de doenças que por vezes parecem assintomáticas nos dias quentes, como as artroses e as artrites. E a dor surge como uma resposta potenciada por um reflexo.”

A anca, os joelhos e a coluna parecem ser as partes do corpo mais afetadas. Mas esta dor é reflexo de quê? Que comportamentos do tempo frio é que desencadeiam isto? “Os processos de dor são potencializados no inverno, em primeiro lugar, porque as pessoas são mais sedentárias, e não podemos esquecer-nos de que o corpo é feito para o movimento”, começa por apontar o médico. “Por outro lado, as temperaturas mais baixas conduzem a posturas incorretas, com contrações mais acentuadas e a um aumento da curvatura fisiológica da coluna dorsal. E esta contração natural muscular que deixa os músculos e as articulações mais rígidas, facilita as inflamações, como as artrites”, diz Luís Teixeira.

Luís Teixeira é ortopedista e presidente da Spine Matters — Proteja a sua Coluna

Ao mesmo tempo, a contração muscular provoca a vasoconstrição.” Este nome estranho refere-se a um “processo de contração dos vasos sanguíneos que reduz a irrigação muscular”, diminuindo o aporte sanguíneo. Resultado? Dá-se uma rigidez articular maior, um encurtamento das fibras e “alterações biomecânicas e posturas que limitam e dificultam alguns movimentos”, que “acabam também por ser responsáveis por um aumento de dores nas regiões lombar e cervical.”

Com as temperaturas baixas, também tendemos a andar mais corcundas, com as costas mais encurvadas. “Estas ações desencadeiam contraturas musculares, podendo piorar dores preexistentes, ou diagnosticar problemas ainda não encontrados”, explica o médico.

Pessoas com artrites e artroses devem ter especial cuidado nos meses de inverno, porque a tendência, por todos estes fatores, é para que a inflamação se agrave. Luís Teixeira deixa nove recomendações para as dores que se agravam no inverno.

1. O tipo de cama, a posição para dormir, o descanso (e o espreguiçar)

É absolutamente crucial que descanse e que durma seguindo algumas regras, nomeadamente: respeitar as oito horas de sono, repousar numa cama adequada ao tipo de corpo e adotar a posição de lado (decúbito lateral), de modo a que não haja uma sobrecarga da coluna. Pode até colocar uma almofada entre os joelhos de forma a dividir o peso e abraçar a almofada para ter estabilidade dorsal. Quando acordar, e antes de se deitar, espreguice-se.

As mochilas pesadas podem causar danos na coluna das crianças. O que fazer?

2. Faça exercício físico e coma bem

Se um dos problemas associados às dores de inverno é a vida mais sedentária, então mantenha (ou reforce) a atividade física — mas sem recorrer aos exercícios de alto impacto, pois estes podem agravar o problema. Aposte em exercícios dirigidos para o alinhamento postural. Pilates é uma boa opção, bem como outro tipo de atividades que o mantenham ativo: caminhadas, alongamentos e outros exercícios de baixo impacto. Por outro lado, sabe-se que uma massa corporal elevada influencia a saúde das articulações. Por isso, além do exercício físico, coma bem. As suas costas vão agradecer.

4. Consulte um médico

Até pode aliviar as dores com medicação, mas está apenas a iludir-se, porque o problema continua lá. Analgésicos e inflamatórios são úteis, mas devem ser acompanhados por consultas médicas. A prevenção é crucial para conseguir tratar e travar uma doença.

5. Agasalhe-se

O frio faz-nos adotar posturas más, que potenciam as dores de inverno. Por isso, não saia “à fresca”. Mantenha o corpo aquecido — e não negligencie as extremidades: aposte em luvas e meias, assim como em banhos quentes. Evite correntes de ar.

6. Dê água aos músculos

A água desempenha um papel importante na circulação sanguínea que, como já vimos, influencia os músculos e articulações. Portanto, apesar de estar frio e de a sede não ser tão evidente como no verão, não se esqueça: hidrate-se.

7. Não esteja sempre na mesma posição

Sobretudo quando está de pé ou sentado. No trabalho, faça pausas da cadeira, levante-se e circule. Evite os picos de trânsito (se puder) nas estradas e transportes públicos, porque isso obriga a estar demasiado tempo na mesma posição, sem grande alternativa.

8. Não abuse nas cargas

As cargas muito pesadas são perigosas, sobretudo a partir dos 40 anos, porque envolvem quase sempre a flexão da coluna. É a partir desta altura que a artrose da coluna vertebral se pode manifestar, tendo como partes do corpo preferidas a lombar e cervical. Resultado? Dores, menos força, menos agilidade e capacidade de rotação da cabeça. Sempre que precisar de apanhar alguma coisa do chão, por exemplo, dobre os joelhos — e não as costas.

Athleisure. O que é, como se combina e quem usa

9. Cuidado com os saltos altos

O athleisure veio para ficar, portanto não fará má figura se abdicar dos saltos altos — sobretudo os mais altos e agulha (stilettos), os mais prejudiciais. Caso queira subir a altura, aposte em modelos compensados e estáveis. As roupas apertadas também não ajudam, porque condicionam os movimentos e tornam-nos mais rígidos.