Burger King lança campanha a defender a amamentação em público

850 restaurantes em Portugal e Espanha vão ter menu simbólico Baby King e uma política pela normalização da amamentação nos seus espaços.

A Organização Mundial de Saúde recomenda o aleitamento materno exclusivo até aos 6 meses de idade

Nem todas as mães se sentem confortáveis a amamentar em público. Ou porque não gostam, ou porque sentem vergonha ou porque existem muitos olhares e pressão por parte de quem está à volta. Este é um dos motivos que levam a que metade das mães que iniciam o aleitamento materno (cerca de 90%) desistam ainda no primeiro mês de vida do bebé, de acordo com os dados do Manual de Aleitamento Materno da UNICEF.

De modo a fomentar esta prática, a Burger King juntou-se à Teta & Teta, uma organização que defende a normalização da amamentação em locais públicos. Alem de lançar o menu simbólico Baby King — que quer fazer cair o tabu relativamente a esta ação, proclamando que em nenhum dos restaurantes da cadeia este será um problema ou uma questão — criou um vídeo de apresentação de campanha, onde é possível verem-se várias mães a alimentarem os filhos, sentadas no restaurante, com outras pessoas à volta.

“Queremos acelerar a normalização da amamentação materna em público. Por outras palavras, levar a que ver uma mãe a amamentar seja tão natural como ver um casal de idosos de mão dada na rua”, afirma a fundadora da Teta &Teta, Maria Rufilanchas.

A Organização Mundial de Saúde declarou que a amamentação materna é a melhor forma de dar aos bebés os nutrientes necessários para um crescimento e desenvolvimento saudáveis. Recomenda que esta deve ser a forma de alimentação exclusiva até aos seis meses, começando, por esta altura, a fazer uma introdução dos alimentos gradual, complementada com o aleitamento, até aos dois anos ou mais.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]