Por esta hora já estará absolutamente enfartado com tudo o que comeu. Nesse organismo há de tudo: salgadinhos, bacalhau, sobremesas, licores e vinho. O estômago e o intestino estão a tentar lidar com o trânsito alimentar que não para de chegar. O esqueleto arrasta-se, porque toda a energia está a ser canalizada para a gestão desse tráfego.

O peso nos dias seguintes será superior. É normal e não significa que tenha acumulado mais gordura no corpo: “Este peso não é necessariamente massa gorda. Nesta época, com o aumento da ingestão calórica há um maior consumo de energia proveniente de hidratos de carbono simples e um aumento de minerais como o caso do sódio. Por isso é previsível que ocorra uma certa ‘retenção’ e, consequentemente, um aumento de peso”, explica a nutricionista Débora Pita.

“Também pode ser visível um inchaço abdominal, não só proveniente do excesso alimentar como da ingestão de alguns alimentos ou grupos alimentares a que somos mais sensíveis, que não estamos habituados a ingerir regularmente e que podem dificultar o processo digestivo e gerar uma alteração dos hábitos intestinais.”

De acordo com a nutricionista, caso o mal esteja feito — porque idealmente (e um pouco irrealisticamente) deveria conseguir controlar a gula — o truque para os dias seguintes está em apostar nos alimentos certos, porque há nutrientes que ajudam a limpar o organismo de tanto açúcar, gordura e fartura.

Missão desenfardar. Aposte nestes grupos alimentares

Consuma hortofrutícolas — vegetais e fruta — porque foram “provavelmente o grupo alimentar menos consumido nestes dias.” Mas não exagere — aposte nas doses normais, aquelas que são recomendadas. “Este grupo é reconhecido pelo seu teor em vitaminas, fibras, minerais e antioxidantes, um verdadeiro mix daquilo que precisamos após tantos excessos”, explica a especialista. “Devemos também apostar em proteínas de qualidade — carnes brancas, peixe, ovos — uma vez que promovem a saciedade e são ricas em aminoácidos, que têm um papel essencial na manutenção da massa muscular.”

Vídeo: Como fazer um incrível tártaro de peixe branco, caviar e húmus de beterraba

Do lado dos hidratos de carbono, não é necessário fazer as restrições típicas dos planos detox. Pode apenas reduzir a quantidade, mas “isto depende muito do objetivo de cada pessoa.” Faça só por apostar naqueles que combatem os picos de glicémia, portanto, nos que fornecem energia de forma mais calma e constante. Exemplos: arroz, batata-doce ou aveia. “Até a batata branca pode ser uma opção.”

Com as gorduras é igual. “Este grupo não deve ser abolido, porque tem um papel importante na alimentação, tanto a nível neurológico ou anti-inflamatório”, destaca Débora Pita. Azeite, abacate, frutos secos e sementes serão boas escolhas.

Há ainda alimentos específicos que podem ajudar o sistema digestivo. “Adicionar canela ao café ou mesmo ao pequeno-almoço — seja num iogurte ou em panquecas — é um pequeno hábito que poderá trazer benefícios na sensibilidade à insulina”, sugere. A curcumina (uma componente da curcuma) com pimenta preta e o gengibre também são benéficos, pelos poderes anti-inflamatórios. Além disso, há o chá verde para aumentar o metabolismo, apesar de não o acelerar “ao ponto de queimar todo o que comeu na noite de Natal” — aumenta até 100 calorias o que não é muito significativo, tendo em conta que nas festa se ingerem numa refeição, sem problema, mais de 1000 calorias.

E, claro, nunca esquecer a água, até porque a ingestão de bebidas alcoólicas aumenta pelo Natal, gerando desidratação: “A hidratação ganha um papel importante e fundamental no dia seguinte (ou mesmo no próprio dia). Por isso, nestes dias a água é obrigatória.”

E na prática, o que pode fazer? Deixamos 5 receitas

Panquecas de aveia

Ingredientes:
4 colheres de sopa de farinha de aveia
1 ovo
Canela q.b.
½ maçã aos cubos

Modo de preparação:
Misturar os ingredientes todos e com a ajuda de uma varinha mágica, triturar até ficar com a consistência de massa. Colocar pequenas quantidades de massa numa frigideira anti-aderente e deixar cozinhar 1 minuto de cada lado.

Bolinhas de bacalhau no forno

Ingredientes:
400g de bacalhau desfiado cozido (pode aproveitar-se os restos da ceia de Natal)
300g de batata doce cozida
1 ovo inteiro
Salsa q.b.
Pimenta q.b.

Modo de preparação:
Esmagar a batata doce com um garfo.
Juntar os restantes ingredientes à batata doce e temperar com a pimenta.
Amassar bem e formar bolinhas.
Colocar num tabuleiro de ir ao forno e levar ao mesmo durante 20 minutos a 180ºC.
Acompanhar com legumes assados ou cozidos.

Legumes assados no forno

Ingredientes:
1/2 pimento vermelho
1/2 pimento verde
1 cebola
2 dentes de alho
1 tomate
1 courgette pequena
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
1 colher de chá de orégãos
Pimenta q.b.

Modo de preparação:
Aquecer o forno a 180ºC. Corte os legumes em cubos. Coloque-os num tabuleiro e tempere-os com o azeite, sal, pimenta, orégãos e o alecrim. Mexa para envolver os legumes todos no tempero. Leve ao forno cerca de 30 minutos até os legumes estarem assados.

Arroz de couve-flor

Ingredientes:
½ couve-flor passada no ralador de cenoura
½ cebola em cubos
2 dentes de alho picados
1 colher de azeite
1 colher de chá de orégãos
1 colher de chá de caril
1 colher de chá sal

Modo de preparação:
Numa frigideira anti-aderente coloque o azeite, o alho e a cebola e deixe alourar, se necessário adicionar 1-2 colheres de sopa de água. Junte a couve-flor, o caril e o sal, envolva bem. Deixar cozer 10 a 15 minutos e está pronto a servir.

Creme de cenoura

Ingredientes:
2 cenouras médias
1 cebola
1 courgette
1 dente de alho
Sal e pimenta q.b.

Modo de preparação:
Cortar os ingredientes todos em cubos e colocar numa panela. Adicionar água até cobrir os legumes e temperar com sal e pimenta. Deixar cozinhar até os legumes estarem cozidos. Com o auxílio de uma varinha mágica triturar os alimentos. Servir e adicionar um pouco de azeite.