Slime, Slime, Slime. As exclamações entusiasmadas não paravam. Ora se tratava da substância gelatinosa que é um fenómeno entre os miúdos, ora dos acessórios que permitiam fabricá-la ou decorá-la. Não admira que tenha sido uma das pesquisas mais frequentes no Google,em 2018. Os produtos não estavam presentes fisicamente, mas antes em fotografias dos catálogos de brinquedos que a MAGG entregou a duas crianças da International Sharing School Taguspark.

Há uma razão para os miúdos gostarem mais brincar com uma chave do que com um brinquedo? Fizemos o teste

O exercício foi simples: pedimos a Mariana e Pedro, 8 anos, que escolhessem o que é que, daqueles folhetos de diferentes superfícies comerciais, gostariam de receber este Natal — se ainda vai com as compras a meio, inspire-se.

Segundo Pedro, os Nerf, uma linha de brinquedos que inclui armas que disparam tiros feitos de uma matéria macia e esponjosa, são a grande tendência entre os rapazes.

Mas descobrimos mais coisas. Há ainda as LOL, mini bonecas que saem de um ovo, ou os Beyblade Burst, uma espécie de discos. Apesar de tudo isto soar a novidade para a geração mais antiga, há ainda alguns brinquedos clássicos que se mantêm, como é caso do Mauzão — o cão mais famoso dos anúncios do Natal — ou ainda os Lego.