Seis restaurantes libaneses que tem mesmo que conhecer

A comida do Médio Oriente conquistou Lisboa. São vários os restaurantes do Líbano pela cidade e nós dizemos onde os encontrar.

Frutos secos, sementes, grão, beringela e romã são alguns dos ingredientes típicos da gastronomia libanesa

Durante anos, comida do Médio Oriente em Lisboa era coisa rara. Húmus era palavra praticamente desconhecida, carne só em kebab numa versão fast food e backlava era doce que só se comia além fronteiras.

De repente, como quem não quer a coisa, todas estas iguarias do outro lado do mundo invadiram Lisboa e, fechando o ângulo apenas para o Líbano, só este ano, contamos cinco novos restaurantes.

O império do Fenícios, restaurante aberto desde 2010, com a certeza de ter sido o primeiro a trazer a comida do Líbano à cidade, só foi quebrado com a abertura do Muito Bey, no Cais do Sodré e, mais recentemente, até José Avillez já se aventurou em território desconhecido, com a abertura do Za’atar.

Para não se perder entre mezzes, falafel e tabouleh, deixamos-lhe aqui um apanhado de todos os espaços com sabor a Líbano que esta Lisboa já tem.

Fenícios

Quando abriram, seriam poucos em Lisboa a saber sequer pronunciar alguns dos pratos que serviam. Mas os sabores, esses, nem precisaram de tradução. Tanto é que quatro anos depois da abertura do primeiro restaurante, no Conde Redondo, abre o Fenícios Castilho, que mantém a mesma linha de entradas, pratos principais e sobremesas, mas com foco nos mezze, com a versão tradicional e vegetariana.

Aos almoços, existe um menu fixo com direito a prato libanês, bebida e café por 9,50€ se a opção for carne ou 11€ se for peixe.

Fenícios
Morada: Rua do Conde de Redondo, 141A, Lisboa
Horário: 12h-15h, 19h-24h

Fenícios Castilho
Morada: Rua Castilho, 14C, Piso 7, Lisboa
Horário: 19h30-23h (fecha ao domingo)

Za’atar

O chef Avillez já há muito que se aventura para sabores internacionais. Tem uma pizzaria, um restaurante peruano e uma pitaria, e abriu este ano um resturante libanês, em parceria com o chef Joe Barza.

O Za’atar — nome dado a um condimento muito usado na cozinha libanesa — fica no Cais do Sodré e, como é óbvio, não faltam pratos feitos com esta mistura de especiarias, a começar no couvert. A proposta que dá início à refeição chama-se shanklish, uma receita feita com queijo curado e envolvida em za’atar.

Morada: Rua de São Paulo, 24, Lisboa
Horário: 12h30-15h, 19h-24h

Casa dos Cedros

É, de todos, o mais recente. O restaurante de Safaa Dib, editora da Saída de Emergência e dirigente do partido Livre, fica na Avenida Duque de Loulé e é uma espécie de 3 em 1: restaurante, pastelaria e mercearia, tudo vindo diretamente do Líbano.

Há opções mais leves, como saladas e sanduíches, mas também pratos completos e até mezzes, ideais para partilhar. Além disso, Safaa quis apostar forte na pastelaria e, todos os dias, há uma montra de doces feita com ingredientes tão típicos como a amêndoa, o pistácio e o mel.

Na Casa dos Cedros, há ainda uma parte destinada a quem queira levar matéria-prima para casa. Há cafés, chás, álcool, conservas e até folhas de videira que, no Líbano, servem como snack, recheadas com carne e especiarias.

Morada: Avenida Duque de Loulé, 1E, Lisboa
Horário: 9h30-19h30 (sábados 10h-18h)

Muito Bey

Quando abriu, em 2016, toda a carta foi criada com base nas receitas de Barbara Massaad, uma escritora libanesa que já tem vários livros de comida publicados.

Mais recentemente, o chef libanês Joseph Youssef, que comanda a cozinha do Muito Bey, cansou-se das receitas tradicionais e passou a dar-lhe um toque mais criativo. Continua a haver mezzes e grelhados, bem típicos do Líbano, mas há surpresas. Além da baklava tradicional, servida como sobremesa, há uma que mistura o salgado com o doce, feita com queijo feta, salsa e noz-moscada e servida com compota de tomate.

Morada: Rua da Moeda, 8, Lisboa
Horário: 12h-15h,19h30-24h (sexta até à 01h).

Sumaya

Este é um restaurante de partilha, ou não estivéssemos nós numa mesa do Médio Oriente. Há várias mezze — palavra que define isso mesmo, partilha — disponíveis, mas o cliente pode criar o seu, com base nas sugestões da ementa que vão desde labneh, um prato de iogurte servido com azeitonas e alecrim seco (4,5€) ou o Samke Harra (7,5€), que consiste numa porção de robalo com batata frita em cubo, coentros, alho, azeite e picante.

No Sumaya também há pratos individuais para quem preferir e uma vasta carta de bebidas, algumas delas feitas com temperos árabes.

Morada: Rua da Escola Politécnica, 40, Lisboa
Horário: 12h-00h, quinta a sábado até à 1h

The Saj Bakery

Este não é propriamente um restaurante. A ideia é passar, parar, comer e seguir, ou comer pelo caminho, que até pode saber melhor.

O The Saj Bakery abriu no Cais do Sodré para dar a conhecer a Lisboa as sanduíches do Líbano. Mas esqueça o pão como o conhece e abra horizontes a uma massa fina, quase como um wrap, feita com farinha, levedura, água, sal e azeite. A partir daí, é só tratar do recheio que, aqui pode ser salgado ou doce.

A opção mais clássica custa 4,50€ e é recheado apenas com azeite e za’atar, uma mistura de especiarias feita com base de tomilho. Depois, há ingredientes como o queijo halloumi, húmus, pasta de sésamo e legumes ou até Nutella, no caso dos pães doces.

Morada: Rua do Arsenal, 118, Lisboa
Horário: 11h-22h

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]