O vestido desenvolvido para provar que as mulheres são assediadas

Há homens que ainda desvalorizavam as mulheres sexualmente assediadas na noite. "The Dress For Respect" elucidou-os e chocou-os.

Para além do vestido, já foram desenvolvidos adesivos e pulseiras para combater casos de assédio e agressão sexual

A empresa de bebidas Schweeppes juntou-se à agência de publicidade Ogilvy Brasil para criar uma campanha que continue a dar voz ao movimento #MeToo. Esta parceria culminou no desenvolvimento de um vestido sensível ao toque que fornece informações sobre a frequência e intensidade com que as mulheres são tocadas numa saída à noite.

Intitulado de “The Dress For Respect”, a peça de vestuário e a experiência que fizeram com ela resultou num vídeo já divulgado pela Ogilvy. O objetivo desta ação não passa por comercializar o vestido, mas sim por mostrar o quão errados estavam os homens que no início do vídeo aparecem a desvalorizar os casos de assédio sexual a que as mulheres são sujeitas. Alguns deles chegam a afirmar até que são as próprias a sujeitarem-se a ser assediadas simplesmente por saírem para dançar.

No Brasil, três mulheres, acompanhadas de uma câmara, usaram o “smart dress” numa saída à noite e ao fim de quatro horas já tinham sido tocadas 157 vezes.

Os sensores implementados na peça de roupa enviavam sinais via wi-fi para o centro de controlo dos investigadores contratados para o projeto e a área do vestido que tinha sido tocada iluminava-se. Desta forma acompanhavam em tempo real os casos de assédio.

Alguns dos homens foram mais tarde chamados para conhecer a experiência que ali estava a ser testada e as suas reações foram maioritariamente de choque e surpresa.

Este vestido não é a primeira peça a ser criada desde a explosão do movimento que une mulheres de todo o mundo contra o assédio sexual. Um rapaz, pós-graduado no Massachusetts Institute of Technology (MIT) desenvolveu, em 2017, um adesivo com bluetooth que enviava um alerta para os contactos de emergência de quem o estivesse a usar, caso alguém lhe tirasse as roupas e o utilizador não especificasse ao fim de 30 segundos que era consentido.

Já este ano, a empresa New Deal Design criou uma pulseira capaz de medir o nível de álcool no sangue do utilizador, alertando contactos específicos caso quem a esteja a usar se encontre demasiado embriagado para consentir qualquer atividade sexual.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]