Crítica. Fomos passar o fim de semana ao Tivoli Palácio de Seteais (e sentimo-nos reis e rainhas)

Experimentámos as duas mais recentes apostas do hotel em Sintra: o spa Anantara e a Sala Colares, dedicada aos vinhos da região.

O Tivoli Seteais foi inaugurado em 1955. Antes disso, funcionava como uma residência privada

Tivoli Palácio de Seteais_Front View

Passar o fim de semana em Sintra já é, por si só, uma experiência incrível. Muito ligada ao romantismo, a vila é património mundial da UNESCO desde 1995, e é quase impossível passear por esta localidade sem nos sentirmos atraídos pelas envolventes paisagens naturais e palacetes centenários que até foram cenário de produções de Hollywood, como o filme “A Nona Porta”, protagonizado por Johnny Depp.

Mas a experiência fica ainda mais enriquecida quando o nosso destino é o Tivoli Palácio de Seteais. Este boutique hotel de cinco estrelas está inserido num palácio do século XVIII, que depois de servir de residência oficial do cônsul, e de residência privada do quinto Marquês de Marialva, renasceu em 1955 como hotel (foi o segundo Tivoli a abrir em Portugal, pouco depois do Tivoli Avenida da Liberdade).

Débora Jesus, relações públicas do Tivoli Seteais, explica à MAGG que este é um hotel muito romântico. “Somos muito procurados para casamentos, mas também para pedidos”, afirma a relações públicas, algo que não é difícil de perceber face à envolvência desta unidade, que tem no arco triunfal a ligar as duas áreas do palácio um dos seus ex-libris, com um miradouro onde é possível testemunhar um incrível pôr do sol, mas que também se torna na moldura perfeita para o Palácio da Pena se deixarmos o mar nas nossas costas. “O curioso é que o Palácio da Pena não estava ali quando o arco foi construído”, conta Débora Jesus.

Tivoli Palácio de Seteais

Rua Barbosa du Bocage, 8
Sintra, Portugal
Telefone: 219 233 200

Visitar este hotel é quase como uma visita a um museu: cada sala é mais bonita do que a anterior, os frescos pintados nas paredes das várias divisões não deixam ninguém indiferente e há uma peça de arte a cada esquina — no total, o Tivoli Seteais acolhe aproximadamente 2 mil peças espalhadas pelo hotel, entre móveis, iluminação, têxteis, tapeçaria, quadros, murais, pinturas de cavalete, gravuras e porcelanas. Mas não há como resistir ao imponente piano de cauda Steingraeber, pintado com cenas pastorais e um acabamento em talha dourada (este é um dos três exemplares conhecidos, produzidos no século XIX pelo famoso fabricante dos melhores pianos do mundo).

Apesar da decoração centenária, os 30 quartos, divididos nas tipologias superior, deluxe e suite (existe apenas uma), combinam na perfeição o melhor de dois mundos: enquanto que o mobiliário clássico e a louça das casas de banho — ainda estamos a pensar naquela banheira — nos fazem sentir que fazemos parte da realeza do século XVIII, o ecrã de LCD, o wi-fi (bastante rápido e fácil de aceder), a máquina de café com cápsulas à disposição e outras comodidades recordam-nos que estamos em pleno ano de 2018.

E porque são os pequenos detalhes que nos cativam e que marcam a diferença de uma unidade de luxo para as restantes, aqui as amenities são da conhecida marca francesa Hermès, e os hóspedes podem utilizar o comum gel de banho e champô, mas também creme hidratante e água de colónia.

O hotel é de luxo — e a comida também

Durante a estadia de fim de semana da MAGG no Tivoli Seteais, experimentámos a carta de almoço e de jantar do Seteais, o restaurante do hotel. Ao almoço, as refeições são servidas na varanda com vista para a serra e para a zona da piscina, sendo esta uma área agradável e adaptada às quatro estações do ano — durante o tempo quente a varanda está aberta, nos dias mais frios é tapada e são colocados aquecedores a gás para conforto dos clientes.

A carta de almoço (servida entre as 12h30 e as 15 horas) é mais leve, com várias alternativas como snacks, pregos, massas e saladas, mas também existem opções para quem deseja uma refeição mais composta. Optámos por experimentar uma entrada de camarão ao alhinho (16€), e nos pratos principais dividimo-nos entre o peixe fresco com gnoquis de batata e tagliatelle de legumes (28€) e a royal cataplana de peixes e mariscos (26€). E mesmo antes de fecharmos a refeição com chave de ouro com a pannacota de pêra (8€), já tínhamos atribuído cinco estrelas (e mais houvessem) a este almoço — o molho dos camarões estava muito saboroso (e claro que o provámos com pão saloio), o peixe super fresco, os gnoquis gulosos e a cataplana com um sabor a marisco delicioso.

Já o jantar (19h30 às 22 horas) é servido no interior do restaurante, numa sala com capacidade para 120 pessoas, onde os frescos das paredes continuam a ser a primeira coisa que chama a nossa atenção. Bem, os frescos e a música do piano bem à entrada da sala de refeições. A carta do jantar mantém a qualidade da do almoço mas aposta em pratos mais trabalhosos, sendo aqui bem implementado o conceito de fine-dining.

Acedemos às sugestões do chefe de sala e abrimos as hostes com a sopa de peixe da nossa costa (13€), continuando com o bacalhau “à nossa maneira”, curado com presunto crocante e maionese de pimento (30€) e o leitão com puré de couve-flor e molho de laranja (23€). Para sobremesa, o eleito é o pudim de maçã de Fontanelas com crumble de amêndoas (11€) e a nota positiva do almoço continua ao jantar — o bacalhau não estava nada salgado e a posta era bastante generosa, o leitão estava no ponto, com a pele crocante, e a sobremesa fechou em beleza, sem ser uma alternativa demasiado doce. O único ponto menos positivo a apontar é mesmo o excesso de tomate na sopa de peixe, que acaba por a tornar demasiado pesada.

Relaxar num antigo pombal ou dedicar-se a saber mais sobre os vinhos de Colares? Pode fazer ambos

O Tivoli Seteais resolveu apostar em novos conceitos para agradar aos hóspedes. Assim, no ano passado, nasceram nesta unidade hoteleira a Sala Colares DOC e o spa Anantara — “foi uma forma de aumentarmos o leque de ofertas para quem nos visita”, explica Débora Jesus, relações públicas do hotel.

Se é fã de provas de vinhos ou gosta apenas de bebê-lo, a Sala Colares DOC é bem capaz de lhe encher as medidas. O objetivo deste novo conceito é proporcionar experiências vínicas aos hóspedes, explorando vários vinhos da região de Colares com tapas ou com menus completos de degustação ao jantar: os menus de pairing de tapas com vinhos começam nos 25€ por pessoa (três vinhos com degustação de cinco tapas, entre queijos, bolinhos de alheira e bacalhau, e presunto), mas caso prefira um momento mais exclusivo, pode escolher um jantar de degustação de quatro pratos, com um pairing especial com o vinho regional (a partir de 100€ por pessoa). Todas as atividades neste espaço funcionam por marcação, sendo que as provas de vinho só se realizam a partir de dois participantes e os jantares até um máximo de oito pessoas.

E depois das delícias gastronómicas, não nos despedimos do Tivoli Seteais sem uma passagem pelo spa Anantara. Edificado num antigo pombal, o spa de Sintra foi o segundo da marca na Europa fora de um hotel Anantara, e primeiro a surgir em Portugal. Aberto entre as 11 e as 19 horas, este autêntico oásis de relaxamento tem no seu menu tratamentos dignos de realeza e, apesar da desconfiança inicial (sou pessoa de massagens, por isso torci o nariz interiormente quando me apercebi que não era isso que ia fazer), rendi-me ao tratamento facial de vinoterapia.

Com a duração de 75 minutos e um custo de 120€, este tratamento oxigenante, antioxidante e antirrugas é indicado para qualquer tipo ou estado de pele e até para grávidas, dado que foi retirado o sérum de videira vermelha e o óleo de limão. Com um complemento energético, até melhora o funcionamento dos meridianos do coração e pulmão, com técnicas específicas de digitopressão nos pontos associados. E embora seja complicado imaginar como é que um tratamento facial demora mais de uma hora, garantimos-lhe que não dá pelo tempo passar, tal o estado de relaxamento.

Depois de uma massagem aos pés e limpeza dos mesmos, um ritual de boas-vindas especifico dos spas Anantara, passamos para o tratamento facial, onde nos são feitas duas máscaras extra-hidratantes e refrescantes — e todo o tratamento é efetuado sem químicos, dado que os produtos utilizados são Arôms Natur, uma marca de alta cosmética 100% natural.

Depois do tratamento, dizer que a minha cara parecia pele de bebé é pouco. Luminosa, hidratada e cuidada, os efeitos deste tratamento foram sentidos até 48 horas depois e, durante este período, nem tive necessidade de colocar o meu creme hidratante habitual no rosto. E eu que cheguei a pensar trocar isto por uma massagem.

Nesta época do ano, a estadia de uma noite num quarto tipologia superior está disponível a partir dos 326€; na suite, o valor é de 2.475€.

A MAGG ficou alojada a convite do Tivoli Seteais.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]