Se houve música que marcou o verão de 2018, essa foi “Coração não tem idade (vou beijar)”. O êxito popular do cantor Toy ouviu-se em todo o lado: na televisão, nas festas tradicionais, nos bailes, em casamentos, nos Santos Populares e até nas redes sociais, sendo muitas as pessoas que não resistiram a fazer vídeos com a coreografia do single.

Com mais de 10 milhões de visualizações no YouTube, há poucos portugueses que não saibam, pelo menos, o refrão desta música, que se tornou um sucesso quase imediato. Mas agora há uma nova versão, num estilo completamente diferente do original.

Na rubrica “Confessions” da rádio “Mega Hits”, o cantor Agir resolveu apresentar uma cover de “Coração não tem idade (vou beijar)” que está a encantar a internet — numa semana, o vídeo alcançou as 235 mil visualizações na plataforma YouTube. O êxito de Toy torna-se uma música completamente diferente na voz de Agir, que transforma a canção popular (vulgo, pimba) num single pop graças ao alcance de voz do filho de Paulo Carvalho, acompanhado de um coro e de uma banda ao vivo.

Estas são as 5 canções mais tristes de sempre, segundo o Spotify. Já as ouviu todas?

No entanto, Agir não foi o primeiro músico português a transformar músicas populares. Em 2017, a cantora Ella Nor (pseudónimo de Leonor Fonseca, que chegou a participar numa das edições de “The Voice Portugal”) encantou com uma versão de “Não és Homem Para Mim”, de Romana, que resulta numa balada calma e sentimental.

Já em 2105, o grupo “MGDRV” (composto por antigos elementos da banda “Macacos do Chinês”) apostou num registo bem diferente com a faixa “Tu Não Tens”, uma homenagem a um dos êxitos mais populares de Marco Paulo, o tema “Taras e Manias” — o sucesso foi tal que a música chegou a fazer parte da banda sonora de “Amor Maior”, a telenovela da SIC.