Foi esta terça-feira, 23 de outubro, que se soube mais detalhes de uma história que tem gerado muita discussão nas redes sociais. Na segunda parte da reportagem “Amor Cego”, do programa “Vidas Suspensas”, Francisco  d’Eça Leal começou por relatar como começou a relação alegadamente abusiva com Maria Leal que, garante, o enganou, lhe roubou todo o dinheiro que tinha e o obrigou a cortar relações com os amigos e com a mãe. “Caso não o fizesse, ela dizia que eu ficaria entregue à minha mãe e que ela acabaria por me internar.”

Agora a mãe, Júlia Correia, confirmou a informação à jornalista Sofia Pinto Coelho, da SIC, que diz que Maria Leal achava que ela queria ficar com a fortuna do filho. É que apesar de Júlia ter começado a namorar com o pai de Francisco com apenas 23 anos, nunca chegaram a casar. Quando o pai de Francisco morreu, já estava separado de Júlia — que não herdou nada.

Apesar do afastamento, Júlia diz que nunca se demitiu do filho mas não esconde a tristeza ao revelar que é muito difícil viver com ele. “Tive um esgotamento dificílimo depois de estar um ano a segui-lo todos os dias, sem descansar. Fiz das tripas coração e dei o que pude para acompanhar o Francisco até porque adoro o meu filho. Mas também me adoro a mim, e não admito que ninguém me fale mal”, referindo-se aos dias maus em que Francisco está revoltado, ora pelo que lhe aconteceu, ou porque simplesmente está mal disposto e sente necessidade de descarregar em alguém.

As 10 acusações mais polémicas do ex-marido de Maria Leal

O rancor por Maria Leal, garante Júlia, está bem presente em tudo o que faz e em tudo o que sente. “Lembro-me de pensar em queimá-la na chapa do fogão” e não esconde ter tido pensamentos horríveis ao longo dos anos, especialmente quando foi notícia que a cantora tinha gasto perto de 30 mil euros numa reparação dentária total.

“Apeteceu-me partir-lhe a cara, os dentes, tudo. Depois aprendi a ter paciência, mas acho que ela tem de se tratar”, lamenta. Mas enquanto fala, a voz vai deixando escapar um rasto de arrependimento que Sofia Pinto Coelho faz questão de apontar quando lhe pergunta se se sente culpada, ao que Júlia responde com um acenar de cabeça tímido e pesado. É que muitos antes de tudo isto acontecer, Francisco tinha tido uma grande discussão com a cantora, chegando ao ponto de a pôr na rua. Mas tudo mudou quando Maria Leal foi ter com Júlia e lhe pediu para a deixar falar com o filho.

“Ela veio ter comigo e eu liguei para o meu filho a dizer que ela estava comigo, e perguntava se podia falar com ele. Hoje arrependo-me disso. Fui muito estúpida.”

Francisco, que hoje vive com a ajuda da mãe e de uma reforma de 334€ mensais, diz que “está de bem com a vida” e que é a sua rotina que o mantém vivo. “De manhã vou ao café e depois volto para tocar guitarra. Ao almoço e ao jantar vou buscar comida a uma cantina da igreja da Santa Casa da Misericórdia, e é assim que vou vivendo.”

Marial Leal defende-se: “Eu amei aquela pessoa e os nossos gastos foram exagerados”

“Acho que não sou uma pessoa esquizofrénica”, garante, referindo que o que aconteceu foi apenas um surto psicótico. Depois da depressão e da tentativa de suicídio aos 21 anos, Francisco toma medicação todos os dias para se manter estável e o seu grande sonho era poder trabalhar — só que isso implicaria um desgaste físico muito superior ao que alguma vez poderia aguentar.

Apesar de tudo, diz que seria capaz de perdoar Maria Leal mas gostava muito que fosse feita justiça numa altura em que o pedido de divórcio está parado, muito devido ao facto de a morada oficial da cantora ser a de Francisco — o que leva a que a justiça não seja capaz de notificar Maria Leal.

“A responsabilidade foi totalmente dela porque eu não sabia do que se passava e, quando me apercebi, já ela tinha tirado o dinheiro”, lamenta ao mesmo tempo que agradece à mãe não o ter interditado como Maria Leal disse que poderia vir a fazer. É que assim, adianta, pôde “errar e aprender” à sua maneira.

Face às acusações feitas na primeira parte da reportagem, transmitida a 16 de outubro, a cantora reagiu na sua página oficial de Facebook onde afirmou ter sido “difamada de forma gratuita em horário nobre”. Apesar de, na mesma publicação, ter dito que não prestaria qualquer tipo de declarações, Maria Leal esteve na sexta-feira, 19 de outubro, no “Jornal da Noite”, da SIC, para contar a sua versão dos factos.

“Estou a ser julgada em praça pública e já sofri ameaças. Quero a verdade acima de tudo porque eu vivo da minha carreira que construí sozinha, sem precisar de ninguém”, e disse ainda não ter dúvidas de que o dinheiro era dos dois — e que era gasto com o consentimento de Francisco.