Las Vegan. O restaurante feito de verdes e trocadilhos

Aqui servem-se hambúrgueres e saladas, mas também conversa e boa música. O novo espaço abriu pelas mãos de um artista.

Ao almoço, há menus (dos 9€ aos 13€) que combinam algumas saladas e sandes com sopa, sobremesa, bebida e café

Às vezes, ainda é difícil para Ricardo Macedo perceber que está em Lisboa, que tem um restaurante, horários a cumprir e clientes à espera da sua comida.

Foram muitos anos a viajar, a seguir o instinto, a negar burocracias e não é de um dia para o outro que o Ricardo-músico-viajante-sonhador vira Ricardo-homem-de-negócios. “Ainda no outro dia estava aqui a montar bancos e a minha cabeça viajou até à Arrifana”, conta à MAGG. Mas aí, olhou para a tatuagem que tem no braço e que diz “here and now” e voltou a envernizar os bancos com gosto.

Foi do seu trabalho que saiu o Las Vegan, o novo restaurante da cidade onde carne e peixe não entram, mas onde nada é aborrecido. Bom, basta que o restaurante se chame Las Vegan para perceber que estamos perante uma mente que não para, certo?

É que os trocadilhos continuam. Os batidos chamam-se Amén.Doim (4€) e Chico Laite (4€), o primeiro com leite de amêndoa, banana, chia e manteiga de amendoim e o segundo com leite de aveia, chocolate negro, banana e sementes de cânhamo.

Nas sobremesas há o James Brownie (4€), o Great Balls of Baunilha (2,5€) ou o Pudim de Chia Lebouf (2,5€). Ricardo tem piada, mas tem muito mais que isso.

Fez Erasmus em Barcelona e acabou por ficar por lá mais de dez anos, primeiro a trabalhar enquanto designer e, mais tarde, dedicado apenas à música, com o projeto a solo Anxious Myopic Boy. Não satisfeito com a vida longe dos padrões ‘9 às 5’, juntou-lhe um plus: uma autocaravana na qual passou a viajar nos anos seguintes.

Pelo meio, a locução. “Se fores ao Louvre ou à The National Gallery e pedires um audioguia em português, sou eu.”

No meio de tanto vai e vem, parou em Lisboa e, num jantar com o amigo e futuro sócio João Antunes, falou-lhe de um restaurante que adorava em Barcelona — o Quinoa — que um dia gostava de replicar em Portugal. Meu dito, meu feito. Passado uns dias já João lhe enviava links sobre sites veganos, receitas, propostas de localização e Ricardo percebeu que, finalmente, estava na hora de voltar.

Atenção a este hambúrguer

Ricardo sabia que, pelo menos o hambúrguer que se habituou a comer em Barcelona, queria ter no seu restaurante. “A minha ideia de menu era bastante simples, mas depois a nós juntou-se a Helena e a comida ganhou outra dimensão”, conta. Helena Loja deixou o restaurante no qual trabalhava, também em Barcelona, para fazer parte deste triângulo empreendedor.

Formada em macrobiótica, trouxe novas técnicas de cozinha e introduziu na lista de ingredientes coisas como o chucrute e o feijão azuki, bem típicos desta forma de comer (e viver).

Há pouco passámos das entradas diretamente para as sobremesas, mas há pelo meio todo um mundo vegan a descobrir.

No capítulo das sanduíches, há o Gerard Vurguer (7,5€) feito com cebola caramelizada, tomate, pepinillo, mix de folhas verdes e veganesa (maionese caseira e vegan) e a Sand’Épica (11€) com pão da Micro Padaria, tomate cereja assado, rúcula, creme vegano e pesto de espinafre. Há ainda a Sande de Cá (7,5€), com scramble tofu, pepino, tomate com molho de mostarda, agave e tahine e a   (7,5€), com folhas verdes, chucrute, cebola caramelizada, cenoura, abacate e vinagre balsâmico.

Las Vegan

Morada: Rua Cavaleiro de Oliveira, 53B, Lisboa

Horário: terça a quinta 12h30-20h30, sexta a domingo 12h30-23h

Existem ainda quatro saladas: a Grão a Grão (10€), feita com grão, ricotta vegana, mix de folgas verdes, tomate e pesto de espinafres, a Kal-El (10€), com kale, quinoa vermelha, chucrute, abacate, batata doce, cânhamo e molho de tahine, alho e limão, a Send Nudles (7,5€) com noodles de curgete, tomate seco, azeitonas pretas e nozes com pesto de kale e a Nudeless Pad Thai (7,5€), com cenoura, kale, couve, cebola roxa, amendoim, gengibre, folhas de menta e molho de chilly doce.

Os sumos que acompanham este banquete são feitos com fruta da Fruta Feia — projeto que combate o desperdício alimentar — e prensados a frio para se manterem frescos por mais tempo. Os legumes são biológicos, assim como os vinhos, a cidra e o café.

A ementa ainda está em resmas de papel A4 acabadas de imprimir, os pratos ainda estão em teste e Ricardo espera ainda encontrar um bom trocadilho para todos os itens da carta. “Somos muito verdes ainda e não é só por sermos veganos”, brinca.

A contrabalançar a inexperiência dos primeiros dias, está a vontade de explicar cada prato, de contar a história de cada ingrediente, de falar sobre Barcelona, da Arrifana, da autocaravana e da sua banda. “Olha, este sou eu”, e aponta para as colunas que dão música a uma comida com potencial de carreira a solo.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]