Um polícia do Facebook conta coisas horríveis 

Há 500 pessoas a trabalhar em Lisboa para controlar a plataforma. Pedofilia, suicídios, terrorismo, decapitações, elas apanham de tudo.

Por Marta Gonçalves Miranda