Chocolates. Mars e Snickers têm novas receitas com menos açúcar e mais proteína

Os cortes de açúcar chegam aos 50 %, mas a marca garante que isso não se reflete no sabor. A nutricionista Mariana Abecasis deixa um alerta.

Além do Snickers e do Mars, prevê-se que o Twix e o Milky Way sofram também uma diminuição no valor calórico

O Mars e o Snickers já existiam em versão proteica nas plataformas online onde se compram produtos para desportistas. Mas, segundo o “Daily Mirror”, as suas versões nutricionalmente mais equilibradas ainda estão por chegar, e serão aquelas que vão estar nas prateleiras dos supermercados e lojas no Reino Unido.

De acordo com a Mars Wrigley, o grupo que detém as marcas de chocolate (bem como outras, como (M&M’s ou Twix), a nova versão de chocolate com caramelo irá conter 17,5 gramas de açúcar, o que representa um corte de 40% face aos que são atualmente comercializados. O Snickers vai conter ainda menos, mas com um corte inferior: 14,1 gramas de açúcar, o que significa que terá menos 30% do que a versão original. Quanto ao teor proteico, os dois chocolates terão um aumento de 10 gramas, o que equivale a um aumento na ordem dos 50%.

Prevê-se que a nova versão dos chocolates chegue aos supermercados ingleses em 2019, ano em que se conta também com uma diminuição de 100 calorias em vários produtos do grupo. Além do Snickers e do Mars, espera-se que o Twix e o Milky Way vejam o seu valor calórico baixar.

A alteração das receitas faz parte de uma série de novas medidas introduzidas pelo novo representante da marca no Reino Unido, David Manzini, que adiantou que o objetivo passa por manter os sabores que já existem há 100 anos, acompanhando, em simultâneo, a tendência para uma vida mais saudável e equilibrada.

A nutricionista Mariana Abecasis considera que se “nota uma preocupação cada vez maior por parte da indústria em desenvolver e melhorar produtos, de forma a tornarem-nos mais equilibrados nutricionalmente.” A especialista defende que “qualquer produto é sempre passível de ser melhorado”, o que nem sempre significa que passe a ser bom.

Por isso, há que ter cautela: “Há que perceber que apesar de menos açúcar, não deixam [os chocolates] de ser um snack açucarado, e como tal não devem fazer parte da nossa alimentação diariamente.” Continuam a ser uma guloseima: “É importante desmistificar isso e não incentivar o consumo regular destes produtos, por terem sofrido uma redução de parte do açúcar. Devem ser a exceção e não a regra.”

A MAGG contactou o representante português da marca para saber se as alterações nas receitas se estendem ao País, mas não conseguiu obter resposta.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]