A segunda maior livraria do mundo onde todos os livros têm a capa à mostra fica no Funchal

Chama-se Esperança, tem mais de 100 anos e 107 mil livros expostos pela capa. Os turistas conhecem-na, os madeirenses nem por isso.

A livraria abriu em 1886. Entretanto cresceu em espaço e número de livros e é a única livraria de fundos do País

Descer o monte a bordo de um cesto, ver golfinhos, mergulhar no Seixal, empurrar um bolo do caco com poncha de maracujá acabada de fazer, percorrer uma levada, subir ao Pico do Areeiro e descer de teleférico até à Fajã dos Padres. Até uma foto do busto do Ronaldo já não falta a esta lista que podia ter como título algo como “coisas imperdíveis a fazer na Madeira”.

Mas faltava uma que, de tão imperdível, devia estar no top do TripAdvisor assim que se começa a escrever a palavra ‘Funchal’. Mas não está. Nem no top 3, nem sequer no top 10. “Há turistas que nos chegam cá só depois de alguma insistência com o taxista. As pessoas de cá acham que já não existimos, talvez porque nos confundam com uma papelaria com o mesmo nome que, essa sim, já não existe”, confidencia-nos uma das funcionárias da Livraria Esperança, aquele que deve ser o ponto mais erradamente desvalorizado de toda a ilha.

Todos os livros estão expostos pela capa, presos com uma mola, para que o cliente possa pegar e folhear

Foi, tão só e apenas, o primeiro estabelecimento em Portugal a vender apenas livros e é, atualmente, a segunda maior livraria do mundo de livros expostos de capa. Sim, aqui não há estantes com livros encavalitados a lutar por protagonismo de lombada. Cada peça é rainha e tem direito a capa virada para o leitor.

Foi o pai de Cátia Câmara, a quarta geração da Esperança, que se lembrou que os livros mereciam todos um destaque que as outras livrarias não davam. Mas para isso precisou de alargar o espaço da livraria, que isto do protagonismo não se pode ficar por meia dúzia de metros quadrados. Foi aí que a livraria, fundada em 1886, atravessou a estrada e ocupa hoje todo um prédio da Rua dos Ferreiros, no centro do Funchal, com três andares totalmente forrados de livros. “E mais espaço houvesse”, admite Cátia. É que o seu pai fez também questão de que, assim que conseguiram esse espaço extra, começar com um stock de 12 mil livros, com a premissa de ter à venda todos os livros editados em Portugal. “Essa é uma tarefa difícil de manter em 2018”, explica Cátia, tendo em conta a quantidade de editoras que existem e de livros que todos os meses saem para as bancas.

Mesmo assim, é para a Esperança que os editores ligam quando sabem que determinado livro já não existe em lado nenhum que não naquele recanto do Funchal. “Há uns anos, numa visita oficial, Jorge Sampaio passou cá à procura de um livro que não encontrava em lado nenhum no continente. E encontrou aqui, claro”, conta Cátia.

Paredes feitas de história

Com 132 anos de portas abertas a um público que atualmente se divide entre turistas e locais, é normal que por cá, entre os novos lançamentos, se encontrem relíquias como “O livro de cozinha para homens”, de Maria António Goes que, apesar da capa amarelada, dá dicas tão intemporais como “se quer seduzir uma mullher, o velho champanhe resulta sempre”.

Sempre que um livro é vendido, a livraria contacta a editora para que seja reposto de imediato

Encontramos ainda um livro com o título: “Carne, um alimento ou um veneno”. Podia ter saído este ano, mas já era tema digno de publicação em 1977.

Há espaço ainda para “A dieta mágica do Dr. Oz”, um livro que compila desenhos de Álvaro Cunhal e um com um título “Onde está Bin Laden”, chamativo para 2004, ano de lançamento, mas que agora está digno de passar para a secção de História. E por falar em secções, aqui há as clássicas Romance, Arte ou Infantil, mas onde é que se lembra de ver toda uma sala dedicada apenas à secção de Ioga?

Passaram ainda pela fase de serem os fiéis depositários de livros escolares da região, o que fazia com que as filas de pais dessem a volta ao quarteirão. A concorrência desleal das grandes superfícies ditou o fim deste sistema que punha a livraria em reboliço por alturas de setembro, dando hipótese a que se concentrassem naquilo que o pai de Cátia — Jorge Figueira de Sousa, falecido em 2012 — queria para a livraria: que nunca lhe faltassem livros. É por isso que hoje se mantêm como a única livraria de fundos do País, ou seja, sempre que um livro é vendido, é reposto de imediato até que o editor o defina como esgotado. Atualmente, são 107 mil livros em stock, todos expostos de capa com recurso a uma mola que o cliente pode sempre soltar para folhear o interior.

Uma família dedicada aos livros

Cátia Câmara tem 37 anos e, quando o pai ficou doente, desistiu de uma carreira em Inglaterra enquanto gestora de uma cadeia de restaurantes para se dedicar à livraria onde, praticamente, só lhe faltou nascer. “Vivo aqui na porta em frente e foi neste espaço que passei toda a minha infância”; conta. Mas nem por isso cresceu com o gosto da leitura. “Até aos 17 anos, só tinha lido os livros a que a escola obrigava”. Até que um dia, pegou num dos milhares de livros da Esperança e hoje é incapaz de ir dormir sem ler pelo menos uma página.

Atualmente, são 107 mil livros expostos pelas prateleiras e paredes da livraria

Luta agora para manter em pleno um negócio que começou com o seu bisavô e que hoje tem como inimiga a modernidade de outros espaços. É por isso que, desde o ano passado, quando assumiu como sua a livraria, tem dinamizado dias especiais, com conferências, palestras e descontos.

Prevê ainda uma remodelação do espaço para breve e, por sugestão nossa, ficou de ver se não estaria na hora de atualizar a lista de recordes. É que quando, em 1996, se candidataram ao Guinness como maior livraria do mundo com livros expostos de capa, foi uma livraria em Nova Iorque a única a ultrapassá-los. Mas na altura, a Esperança ficava-se apenas pelo primeiro piso, tendo agora crescido tanto em área como na quantidade de livros expostos. “Se calhar, é desta que ganhamos”, admite Cátia, a justificar o nome de uma livraria na qual entrou sem pedir, mas da qual já não se vê sair.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]