Ljubomir Stanisic. “Que se foda a televisão”

, por Ana Luísa Bernardino