Ter um filho é difícil, principalmente quando se é pai pela primeira vez. Mesmo com as licenças de parentalidade, que permitem aos pais e mães ficarem em casa para se dedicarem a 100% aos seus bebés, a verdade é que muitos destes novos pais são os primeiros a admitir que cuidar dos seus filhos a tempo inteiro é mais difícil do que os seus empregos habituais.

As conclusões são de um estudo britânico divulgado recentemente, que descobriu que cerca de 31% dos recém-pais pensa desta forma. Outros 55% acredita que ter um bebé é “trabalhoso”, e os restantes 20% afirmaram que era “muito difícil” — todas estas respostas foram dadas sem ter em conta a quantidade de ajuda externa que estes pais recebem, como amas, empregadas ou avós.

Por falar em avós, cerca de metade das mães inquiridas para este estudo (que contemplou 1,500 casais britânicos) admite que seria muito mais complicado criar os filhos sem a ajuda e os conselhos das suas próprias mães.

Os avós são… sete crianças dizem-nos o que pensam sobre estes seres especiais

O estudo, levado a cabo pela empresa Aveeno, também se quis centrar noutras dificuldades do quotidiano dos novos pais — de acordo com a pesquisa, 22% dos pais e mães inquiridos admitiu que, depois do bebé nascer, nunca mais conseguiram terminar uma chávena de chá, 33% só consegue servir-se de uma mão enquanto come, 19% nunca mais conseguiu ver um programa de televisão do início ao fim e outros 17% queixaram-se de dores de costas.

Parentalidade positiva. “O principal erro dos pais é quererem ser perfeitos”

Como não podia deixar de ser, dado que as redes sociais cada vez mais se tornam presentes na nossa sociedade, também estas plataformas foram abordadas no estudo. Segundo os resultados, 71% dos pais admite que as redes socais os tornavam mais competitivos em relação a outros pais, com 22% a afirmar que se sentiam pressionados para serem os pais perfeitos devido ao que viam nas páginas e perfis de outros pares.

Em conclusão, as maiores preocupações dos pais abordados neste estudo prendiam-se com o desenvolvimento dos seus filhos (27%), alimentação (22%) e sono (9%).