Conselhos de quem vive uma relação há mais de 10 anos

A pergunta foi só uma: segundo a experiência pessoal qual é o ingrediente para se manterem juntos há muitos anos? As respostas estão aqui.

A compreensão, o diálogo e a cumplicidade foram os aspetos mais mencionados

As relações amorosas são uma grande parte da nossa vida. Não é da noite para o dia que se aprende a ter uma vida a dois e os números dos divórcios estão aí para o provar. Os últimos dados conhecidos, referentes a 2016 (da Pordata), apontavam para 60 por cada 100 casamentos em Portugal, tornando-o no país com mais divórcios da Europa.

Por isso, a MAGG quis saber qual é o ingrediente secreto para que algumas relações perdurem e foi à procura de casais — que estejam juntos há pelo menos 10 anos — e pediu-lhes que revelassem por experiência própria qual o segredo da união se manter.

Desejo e sexo

“Temos tido momentos menos bons tal como momentos muito bons. Tudo tem sido superado. Estamos juntos para o que der e vier e é certo que somos os melhores amigos um do outro. Quando um tem um problema, o outro apoia incondicionalmente. Segredos ou fórmulas mágicas não há. O que tem de haver é amor, paciência, compreensão, desejo, sexo é bom e recomenda-se! Não desistir à primeira contrariedade. Cada problema superado é relação fortalecida. E claro, tem de existir lealdade de ambas as partes e respeito mútuo.” — Catarina, 52 anos, Diretora de Marketing e Ricardo, 51, Gestor de Negócio. Juntos há 30 anos.

Não perder tempo com birras e discussões menos importantes

“O truque é mesmo a paciência, e não perder muito tempo em birras e discussões menos importantes. Nós chegamos a uma altura em que simplesmente deixamos de nos chatear porque é perda de tempo.” — Vitória, 26 anos, Contabilista e Pedro, 27, Estudante de Desporto. Juntos há 12 anos.

Vontade de resolver as coisas quando não estão bem

“Existe muito amor, compreensão, diálogo e principalmente vontade de resolver as coisas quando não estão bem. Uma vez ouvi uma pessoa mais velha dizer: ‘eu sou do tempo que não deitávamos nada fora, nós reparávamos’. E sim, é verdade.” — Patrícia, 34 anos, Administrativa e Pedro, 36, Operário Fabril. Juntos há 18 anos.

Cumplicidade e confiança

“Para mim, uma relação tem de ser estabelecida principalmente na cumplicidade e na confiança. Por muito amor que possa haver entre duas pessoas, se não houver estas duas bases, é meio caminho andado para a desunião.” — Maria João, 51 anos, Responsável de Loja e Luís, 61, Gestor de Empresas. Juntos há 28 anos.

Não deixar a rotina impôr-se

“Faço muitas surpresas e tento sempre surpreender o meu marido, para não deixar a nossa vida cair na monotonia.” — Susana, 36 anos, Comerciante Online e Hélder, 36, Carpinteiro. Juntos há 21 anos.

Ser uma equipa

“Nos dias que decorrem e ainda para mais, pegando no exemplo de pessoas onde ao mínimo problema se vira as costas, manter uma relação longa exige várias coisas. Tem de haver muitas cedências. Para além do óbvio (gostarmos um do outro, haver respeito e saber ouvir) respeitar a sua individualidade é importante, assim como haver cooperação e diálogo. Somos uma equipa.” — Cláudia, 30 anos, Técnica Superior e Hugo, 34, Impressão Offset. Juntos há 13 anos.

Respeito e comunicação

“Há duas características do amor que são absolutamente indispensáveis para mim: o respeito e a comunicação. Só o respeito podem impedir que se tome certas atitudes ou se diga as palavras erradas e só a comunicação permite que se saiba o que se sente, o que magoa e o que se precisa.” — Ana, 45 anos, Advogada e Vítor, 47, Militar. Juntos há 22 anos.

Tem de haver cedências

“Tem de haver cedências de cada um. Nem mais de um nem mais de outro. Desde pequenas coisas, como ir ver um filme que nós não gostamos tanto, mas que o outro gosta. Se um não gosta tanto de ver as coisas desarrumadas, ter mais atenção nesse aspeto. — Maria João, 44 anos, Engenheira e Nuno, 44, Técnico de Produção. Juntos há 24 anos.

Saber lidar com os contratempos da vida

“É nas grandes tempestades da vida que o nosso amor é posto à prova. Exemplos desses momentos são o nascimento de um filho, que resulta muito na falta de tempo e na interferência na nossa intimidade. É uma questão de sabermos lidar com esses contratempos e dificuldades. Se no momento em que virmos o nosso parceiro no meio de uma multidão ainda sentirmos borboletas no estômago, é sinal que estamos com a pessoa certa.” — Rita, 44 anos, Jornalista e João, 52, Artista Plástico. Juntos há 14 anos.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. leitor@magg.pt