21 perguntas que sempre quis fazer a uma transexual

Aos 17 anos assumiu-se como mulher. Hoje queixa-se do assédio dos homens. E confessa que alguns se "fartam" dela por não ter uma vagina.

Helena Godinho tem 24 anos e hoje sente-se muito mais confiante do que quando vivia como um homem

Há nomes que ficam para a história. Cristiano Ronaldo será imortalizado no futebol. Barack Obama na política. Stephen Hawking na ciência. Mas já ouviu falar da Christine Hallquist? A política americana está agora nas bocas do mundo por ser a primeira mulher transexual a ser eleita como candidata a governadora de Vermont, nos Estados Unidos. Durante 12 anos foi fundadora de uma empresa de engenharia e agora tem sido uma figura importante e inspiradora na comunidade LGBTQ.

Helena Godinho vê nela um exemplo. “Olho para a vitória dela como um passo em frente relativamente à representação de pessoas trans nos media. Especificamente no mundo da política”. A estudante de jornalismo, tal como Hallquist, nunca se sentiu no corpo certo. Tem 24 anos, mas só aos 17 é que finalmente “saiu do armário” e descobriu que podia ser quem sempre quis: uma mulher. O processo foi tudo menos fácil. A falta de representação dos transexuais na sociedade fê-la sentir-se sozinha. A aceitação dos amigos e familiares foi sempre um medo. Mudar o nome no registo foi um processo moroso e nesta entrevista preferiu que o seu nome anterior, o masculino, não fosse revelado. O acompanhamento psicológico nacional é fraco. Porém, considera que, felizmente, Portugal é um lugar tranquilo para se ser transexual.

Com que idade é que começou a sentir que não era um homem?
Desde que me lembro que nunca me senti como um homem. Eu via-me ao espelho e pensava somente que era uma rapariga um pouco diferente das outras. Na minha experiência escolar primária, nunca fui tratada como um rapaz, os meus colegas protegiam-me muito, acarinhavam-me e tinham uma postura para comigo que tinham para com outras raparigas, tive sorte a esse ponto. A minha família também nunca me educou como um futuro homem, sempre fui tratada como um ser humano em primeiro lugar. Só me comecei a aperceber que era de facto muito diferente da rapariga habitual quando entrei na fase da adolescência.

Como é que se sentia antes da transição?
Sentia-me muito perdida. Eu costumo dizer que me sentia como se estivesse fora de mim mesma a olhar para o corpo de um estranho a movimentar-se pelo mundo.

Quando é que se apercebeu que podia mudar de sexo?
Só muito tarde é que cheguei à conclusão que podia de facto ser a rapariga que sempre me senti. Por volta dos 17 anos que foi quando “saí do armário”. Eu tinha uma aversão à transexualidade durante muito tempo porque desde cedo que as únicas mulheres trans que eu via em registo televisivo eram prostitutas, e eu como era nova associava o ser transexual ao trabalho do sexo, por isso evitava pensar muito no assunto.

As pessoas questionavam muito, por exemplo em aeroportos, o meu género (que estava indicado como masculino) era constantemente posto em causa, recebia olhares de surpresa e de estranheza.”

Como é que os familiares e amigos reagiram?
Tive muita sorte.Tanto familiares como amigos reagiram de forma favorável.

Já mudou o seu nome no registo? Como foi o processo?
Sim, felizmente já mudei o meu nome no registo. Considero que foi uma das partes mais importantes do processo até agora. Foi muito demorado, tive que ser seguida por uma equipa especializada em transexualidade durante cerca de um ano, antes de iniciar o tratamento hormonal e só depois ir adiante com a mudança do nome. No final foi um alívio tremendo, até porque já toda a gente me tratava por Helena.

Porque é que escolheu o nome Helena?
Sinceramente, porque acho que tenho cara de Helena. Gosto do nome, e não me consigo imaginar com mais nenhum.

Com que idade é que começou a transição?
Eu comecei a ter acompanhamento psicológico por volta dos 16 anos. A minha transição aconteceu muito naturalmente, porque desde nova que bastava deixar crescer o cabelo que me tratavam por “menina” e com pronomes femininos, por isso não foi uma mudança assim tão extrema.

Como é ser uma mulher transexual em Portugal?
Acima de tudo sinto-me uma sortuda. Portugal é um país muito pacífico. Eu diria que a maior dificuldade, olhando para os primeiros anos da minha vida, é a falta de visibilidade e de representação de pessoas trans. Agora vejo muito, por exemplo, a Kiki Pais de Sousa, e gostava de a ter visto em criança. Acho a presença de pessoas trans a nível mediático extremamente importante, sobretudo para não nos sentirmos tão sozinhos.

Eu costumo dizer que adorava ter uma vagina e não uma ferida aberta que se parece com uma. E claro, é todo um processo extremamente complicado e doloroso. Talvez um dia.”

Sente preconceito quando anda na rua?
Ouvi um comentário desagradável de um sem-abrigo uma vez (o clássico “traveca”), mas felizmente não considero que no meu dia a dia sofra preconceito quando ando na rua. Vivo a minha vida com normalidade e as pessoas têm sido recetivas. Uma dificuldade com que lido, que é comum a muitas mulheres, é a questão do assédio. Por isso diria que sinto mais discriminação baseada no facto de ser mulher, do que de ser transexual.

Sente que em Portugal existem condições para ajudar pessoas transexuais, por exemplo, a nível de apoio psicológico?
Sinceramente, pela minha experiência, o acompanhamento especializado em transexualidade a nível nacional é muito fraco. Eu ia para as minhas consultas para falar de namorados e de roupa, sentia que me estavam a desconstruir e refazer como uma boneca perfeita. Que tinha de me enquadrar em certos critérios para ser uma boa transexual. Era seguida por marido e mulher, o que vim a descobrir ser algo pouco ético, e cheguei a pagar 100 euros por uma consulta de 10 minutos.

Vai fazer a cirurgia de redesignação sexual?
Para já não está nos meus planos. Eu costumo dizer que adorava ter uma vagina e não uma ferida aberta que se parece com uma. E claro, é todo um processo extremamente complicado e doloroso. Talvez um dia.

Quanto custa mais ou menos fazer a cirurgia? Há algum apoio do estado?
Eu sei que no privado o custo vai entre os 15 e os 25 mil euros. Sei também que a cirurgia é comparticipada pelo Sistema Nacional de Saúde, visto que a transexualidade é (no meu ponto de vista, corretamente) considerada uma doença de foro psicológico.

Sentir-se mulher e não funcionar como tal

A nível emocional, sente que sofreu uma mudança com a transição? Quais são as diferenças entre antes e depois?
Sinto uma mudança enorme, sobretudo devido ao tratamento hormonal. Antes, apesar de me sentir uma mulher, não funcionava como uma, não pensava, não agia, não vivia o meu dia a dia como uma mulher, porque queiramos ou não, o género não é algo somente social. As mulheres e os homens funcionam de formas diferentes, e eu, tendo nascido com o sexo masculino, funcionava como homem, o que me causava imenso transtorno. Felizmente desde que iniciei o tratamento hormonal que posso dizer que me sinto 100% uma mulher, a nível emocional, por exemplo desde que aumentei as doses que fui alertada para a presença de TPM, o que tem sido um desafio muito bem vindo. Sou muito mais emotiva, choro com imensa facilidade, apego-me muito às pessoas, tenho uma visão do mundo completamente diferente.

A nível de relacionamentos por exemplo, o que me acontece muito são homens ‘fartarem-se’ de mim porque não tenho uma vagina.”

Qual foi o momento mais difícil durante a transição?
Eu acho que o mais complicado foi ter que viver com uma aparência claramente feminina sem ainda poder mudar o nome oficialmente no registo. Foi uma parte da minha vida, que apesar de durar pouco tempo, foi muito estranha. As pessoas questionavam muito, por exemplo em aeroportos, o meu género (que estava indicado como masculino) era constantemente posto em causa, recebia olhares de surpresa e de estranheza. Eu tentava ver como algo positivo, porque claramente me viam como uma mulher, mas não deixava de ser constrangedor.

Qual é a maior dificuldade no dia a dia como mulher transexual?
A maior dificuldade, no meu caso, são os homens. Algo que me incapacita um pouco é a questão do assédio, ser abordada por homens, por exemplo, que abrandam os carros para me perguntarem se quero boleia, que buzinam constantemente para me acenar e dar os bons dias, que pedem o meu número das mais diversas formas. Obviamente que me sinto lisonjeada por um lado, é sinal que para além de ser vista como uma mulher, sou vista como uma mulher atraente, mas preferia que estes episódios não acontecessem, até porque sendo transexual vivo no medo constante que “descubram” depois de se meterem comigo. Especialmente quando são grupos de homens e um se mete comigo, fico logo receosa porque basta um deles olhar para mim com um olhar mais crítico que pode perfeitamente tornar-se uma situação desagradável. Também me acontece com alguma frequência rapazes que me pedem o número reagirem de uma forma menos agradável quando partilho que sou trans. A nível de relacionamentos por exemplo, o que me acontece muito são homens “fartarem-se” de mim porque não tenho uma vagina.

Alguma vez se arrependeu da transição?
Não. Na realidade a minha vida melhorou em todos os aspetos.

Sente que a comunidade transexual é representada em Portugal?
Não, de todo. É de longe o maior “handicap” que consigo apontar. A falta de representação e de visibilidade. É um facto, que somos poucas pessoas trans, mas existimos, por isso acho estranha a necessidade de, por exemplo, contratar uma pessoa cis [pessoa cujo género coincide com designado no seu nascimento], por vezes um homem, o que acho repulsivo, para interpretar o papel de uma mulher “transexual. Quererem falar de nós sem a nossa presença direta é algo que me choca e penso que só ajuda à estigmatização da transexualidade.

Continuo a sentir-me maioritariamente heterossexual, mas não ponho nada de parte.”

Ser transexual afetou a sua orientação sexual?
Acho a situação da orientação sexual muito engraçada, eu sempre ouvi que as mulheres têm uma relação, de modo geral, mais fluida e desinibida com a sexualidade, e posso dizer que desde que iniciei o tratamento hormonal que me comecei a sentir atraída por mulheres com alguma facilidade. Continuo a sentir-me maioritariamente heterossexual, mas não ponho nada de parte.

Qual é a diferença entre transgénero e transexual?
Transexual é já considerado um termo relativamente desatualizado, a meu entender por ser muito associado à transição sexual, a nível da cirurgia de redesignação, algo que nem todas as pessoas trans desejam ou ambicionam. Transgénero é um termo mais abrangente e acolhedor. Pessoalmente sinto que ambos os termos se adequam à minha pessoa, e é-me indiferente qual dos dois é utilizado.

Sente-se mais confiante agora?
Muito. A pouco e pouco vou-me sentindo cada vez mais confiante, à medida que o processo vai avançando a minha confiança e relação com o “eu” vai evoluindo.

O que gostava de dizer às pessoas que passaram (ou estão a passar) pela mesma situação?
Acima de tudo gostava que qualquer pessoa trans em Portugal não se sentisse sozinha. Especialmente no início da transição é muito fácil sentir que mais ninguém passa por estas experiências, mas o que vim a descobrir é que não é verdade. Também gostava muito de ver pessoas trans com mais ambição, com vontade de provar ao mundo que conseguem ser mais do que simples estereótipos que se queixam nas redes sociais da falta de representação de um terceiro ou quarto género ou de atos de “violência” como assumir o género de uma pessoa. Estudem e trabalhem para provar ao mundo e a vocês mesmos que ser transexual não é algo que tem obrigatoriamente de nos impedir de vivermos a vida com normalidade.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]