Depois de “Por Treze Razões”, há uma nova série da Netflix que está a gerar polémica. Chama-se “Insatiable” e estreou na sexta-feira, 10 de agosto, apesar de existir uma petição pública assinada por mais de 200 mil pessoas a apelar ao boicote da produção. A nova série, que se assume como uma comédia negra, está a ser acusada de fazer troça ou ridicularizar as pessoas que sofrem de excesso de peso.

A história tem Patty como personagem principal, interpretada pela atriz Debby Ryan (“Jessie”), uma adolescente norte-americana com excesso de peso que é diariamente vítima de bullying por parte dos seus colegas de escola. Entre comentários depreciativos e várias outras manobras de humilhação pública, tudo é válido para denegrir a sua imagem.

Tudo muda, claro, quando Patty perde o peso que tinha a mais depois de estar vários meses com o maxilar preso — que a obriga a uma alimentação à base de líquidos. Quando finalmente regressa à escola, já com um corpo totalmente diferente e digno de uma modelo, depressa se torna no centro das atenções e faz uso desse poder para se vingar de todos os colegas que a maltrataram durante anos.

Apesar de a protagonista ter defendido a série publicamente, parece que as pessoas não ficaram convencidas e são cada vez mais as críticas que defendem que a nova produção da Netflix pode até danificar aqueles que supostamente pretendia proteger. A MAGG reuniu os momentos mais chocantes e ofensivos da série que está a originar ondas de revolta pela internet.

Ter excesso de peso é igualado a estar doente ou fora de controlo

Numa conversa entre Patty e o seu advogado, Bob (Dallas Roberts), que a está a treinar para ser a mais bonita de todas as mulheres num concurso de beleza, diz que Patty foi vítima de bullying por parte de toda a sociedade. Até aqui estaria tudo bem se não fosse o facto de tentar simplificar a questão do excesso de peso com termos fáceis como “doença” ou “transtorno emocional” — que conduz, segundo ele, a uma perda de controlo.

“Estavas doente, completamente fora de controlo”, diz. Mas não se fica por aqui e, numa cena seguinte, quando a personagem decide concorrer numa competição de comida, Bob mostra as suas verdadeiras cores e admite, ainda que muito subtilmente, que não quer saber de Patty e que só lhe interessa que ela continue magra e bonita.

As 20 melhores séries feitas até agora que tem mesmo de começar a ver

“Sabemos perfeitamente onde é que isto vai acabar. Primeiro começas com uma lagosta, depois sentes-te culpada e devoras uma caixa inteira de doughnuts. Comer quando estás em baixo mete-nos aos dois em risco”, já que se Patty voltar a ser gorda, o seu advogado fica sem trabalho e é relegado para a insignificância.

A atriz principal usou fatos especiais para parecer mais gorda

Visto que Patty é obesa nos momentos iniciais da série (e em flashbacks), a atriz Debby Ryans foi obrigada a utilizar um tipo de fato especial chamado fatsuit — que faz uma pessoa magra parecer muito mais gorda. O problema, segundo o portal online “BuzzFeed”, é que este tipo de roupa é, geralmente, utilizado como uma brincadeira e tem como único objetivo ridicularizar ou desumanizar alguém.

“Os fatsuits são usados como forma de troça — precisamente porque a ideia de que um ator que seja magro possa alguma vez parecer tão gordo como quando veste o fato é simplesmente ridícula. Este tipo de fatos desumanizam pessoas obesas e reduzem-nas a nada mais do objetos de chacota”, lê-se na publicação.

Há também comentários gordofóbicos na série

Seria de esperar que numa série como esta que, segundo a atriz principal, pretende abordar e confrontar o preconceito que existe contra pessoas que sofram de excesso de peso, não existissem piadas que fizessem troça da comunidade que pretende proteger. Errado.

Esta série ainda não estreou na Netflix mas 160 mil pessoas querem-na cancelada

E isso acontece quando a mãe de Patty e o advogado discutem o momento em que a personagem luta com um sem-abrigo depois de este lhe tirar uma barra de chocolate. “Ela partiu-lhe o nariz porque ele lhe tentou tirar o chocolate da mão. Ela leva muito a sério tudo o que envolva comida”, ouve-se no episódio.

Episódios mais tarde volta a ser usado o mesmo tom depreciativo quando Patty vê uma fotografia antiga de Bob, quando este era muito mais gordo: “Wow, eras mesmo gordo”.

Ao longo dos 12 episódios da série, “Insatiable” parece não fugir a este tom crítico e negro que usa para (tentar) justificar as piadas de mau gosto que faz.

A série tenta comparar uma transgénero a uma pessoa obesa

Talvez este seja um dos momentos mais surreais de toda a série. Num dos episódios, Patty e uma pessoa transgénero falam sobre as dificuldades que sentem por não estarem confortáveis com os seus corpos — naquele que parece ser uma tentativa de igualar todas as complexidades que a questão de género comporta, com as consequências do excesso de peso.

O pior é que a série não volta abordar o tema da identidade de género em mais nenhum momento.

“Insatiable” promove ainda métodos extremos para perder peso

Num dos 12 episódios da primeira temporada, Patty é encorajada a recorrer a medidas drásticas e muito agressivas de maneira a conseguir “ficar saudável e perder toda a gordura” necessárias para ficar bonita. “Os wrestlers por vezes são obrigados a perder cerca de dez quilos em apenas dois dias. Por isso, durante esta semana só vais suar e passar fome”, diz um dos treinadores responsáveis por guiar Patty durante todo o processo.

Ao longo do episódio, a jovem diz que apesar de aquele regime agressivo a fazer sentir mais forte, também a deixa desequilibrada e nauseada por a obrigar a passar fome durante dias.

Existe, portante, uma espécie de glorificação dos métodos mais extremos (e nada saudáveis) que ajudem a perder peso de forma repentina.