Entre os meus amigos e conhecidos há cada vez mais pessoas que dizem que adoravam viajar sozinhas. Umas têm coragem e vão, outras sonham com isso mas têm mil medos, outras estão apenas a sondar e a ponderar, outras precisam só de um empurrão.

Eu tenho a sorte de conhecer uma verdadeira especialista em viagens, que foi minha colega de trabalho, mas que decidiu largar tudo para criar uma agência com uma amiga, a Free Mind Travel. Na realidade, não há viagem que eu faça sem melgar a Catarina Duarte, não fosse ela a melhor consultora de viagens que conheço. Há quem tenha Personal Trainer, eu tenho alguém que me faz um Personal Tour. Em conversa com ela, e sabendo que há cada vez mais gente com este desejo de fazer uma viagem sozinha, pedi-lhe que destacasse as melhores sugestões e passos a seguir para planear uma viagem sozinha. E foi isto que ela me disse:

1. Escolher o mês em que queremos viajar, a duração da viagem e, com base nisso, definir o orçamento que vamos ter para gastar.

2. O segundo passo é o de pesquisar quais os melhores destinos para visitar na altura do ano que escolhemos para a viagem.

3. Já com dois ou três destinos definidos, devemos pesquisar preços dos voos. Esta pesquisa pode ser determinante para a escolha final do destino, porque se não tiverem muito tempo para a viagem, convém escolherem um destino que vos obrigue a poucas escalas.

4. Sabendo o valor do voo, devemos depois subtraí-lo ao orçamento estipulado para perceber o que sobra para alojamento, transfers, passeios, alimentação, e essas coisas essenciais.

5. Definir os locais a visitar no destino escolhidoplanear as deslocações entre zonas e prever os respetivos custos (comboio, avião, autocarro, barco, aluguer de carro). Subtrair esse valor ao que resta após compra do voo principal.

Fotografia de Catarina Duarte, da Free Mind Travel, numa das suas viagens.

6. Depois é a altura de escolher o alojamento: nesta altura, sabemos que sobra determinado valor, e que serão exatamente aquelas noites que vamos ter de reservar em alojamentos. Dividimos então o valor por noite e começamos a procurar estadia que não ultrapasse o montante estipulado. Quanto mais perto este alojamento ficar dos principais locais a visitar, melhor. Muitas vezes mais vale investir numa boa localização, para se poupar nas deslocações e transportes.

7. Voo comprado. Alojamento escolhido. Previsão de custos de deslocações entre os locais feita. Visto? Vacinas? É preciso pesquisar e ver se existe essa obrigação para o destino.

8. Fazer um seguro de viagem é muito importante. Algo pode correr mal, imprevistos acontecem e até por fatores que nos são alheios e convém ter um back up plan.

9. Fazer uma pesquisa online de empresas que façam passeios guiados gratuitos e fazer a inscrição porque, para além de se poupar dinheiro, é uma excelente forma de conhecer pessoas.

10. Fazer a mala, tendo em conta os limites de peso da tarifa aérea contratada. Ver previsão da metereologia e levar roupa prática, apropriada ao local, ao clima e ao tipo de viagem. É essencial levar medicação básica (para eventuais dores de cabeça, náuseas, picas de inseto, dores de estômago, …). Ir de máquina fotográfica atrás mas, acima de tudo, ir sem medos e criar memórias únicas. Pelo caminho, encontram-se muitas pessoas a viajar sozinhas, por isso acreditem que poucos serão os momentos em que se sentem sozinhos.

Espero ter ajudado e que este possa ser o vosso maravilhoso começo dessa loucura. Sinto-me cúmplice. Mas é por existir sempre uma dica número 11 que eu para a semana irei publicar outro artigo sobre a agência da Catarina, apropriada para pessoas que não querem viajar completamente sozinhas e que preferem integrar um grupo. Aqui, todos os passos mencionados passam a ser da responsabilidade da empresa e a única coisa que é preciso é perceber bem o plano, cumprir as solicitações que vão sendo feitas a nível burocrático, e ir de mente aberta para o facto de se ir conviver uns dias com pessoas estranhas mas que estão exatamente na mesma situação.

Quero muito um dia também eu ter coragem para fazer uma viagem sozinha. Conhecer um sítio novo só e apenas pelo meu pé, fazer os meus horários e não depender de ninguém, estar comigo própria, conhecer outras pessoas que estão a passar pelo mesmo. Uma aventura desta dimensão transforma qualquer pessoa para melhor. Não tenho (mesmo) dúvidas disso. Go!