Desde que Miguel entrou no infantário que as doenças começaram a fazer parte do dia a dia da criança de quatro anos. Sofia Neves, 39 anos, mãe de Miguel, conta à MAGG que há meses em que os dias que o filho fica em casa são mais do que aqueles que vai à escola. “Gripes, gastroenterites, inflamações de garganta, já apanhou de tudo”, afirma a advogada que admite que, caso não fosse a ajuda dos pais, com quem partilha casa depois do divórcio, não saberia como podia ficar tanto tempo com o filho.

Apesar da separação de Sofia e do marido ter sucedido quando Miguel tinha apenas dois anos, a advogada não nega que é possível que esta situação a tenha levado a mimar muito o filho, sendo muito ansiosa e, por vezes, até demasiado protetora, principalmente quando este fica doente.

“Acredito que o faça, mesmo que inconscientemente. Aliás, não sou a única, também os meus pais são muito protetores com o Miguel, principalmente o meu pai. A minha mãe tenta impor-lhe regras mas o meu pai cede muito mais facilmente, tal como eu”, confessa Sofia, que também admite que as constantes doenças do filho a levam em ter dificuldades em contrariá-lo, mesmo quando a criança começa a recuperar.

O seu filho está doente? As urgências nem sempre são a solução ideal

João Bismark, médico pediatra, relata à MAGG que este não é um caso único — muito pelo contrário. “Os pais, principalmente os mais ansiosos, permitem que as crianças mantenham direitos especiais dias ou até semanas a seguir à doença”.

As crianças podem “aproveitar” uma doença

É um cenário comum a muitos pais: quando um filho está doente, as regras são colocadas de lado e, obviamente, a prioridade máxima é a recuperação da criança. De acordo com João Bismark, o facto de estarem doentes oferece, por vezes, direitos especiais às crianças por parte dos pais e das famílias mais ansiosas.

“A criança quando está doente tem direito a dormir na cama dos pais, deixam que esta se recuse a comer determinados alimentos, a não ir para a escola e a não fazer muitas outras coisas”, salienta o pediatra, que também explica que o problema reside quando os filhos mantêm este comportamento depois de a doença passar —  e os pais deixam.

Este é um quadro em que Sofia Neves se revê, principalmente no que diz respeito à alimentação. “O Miguel é uma criança muito difícil para dar de comer. Gosta de pouca coisa, a carne então é o mais complicado de lhe dar. E, na verdade, com ele a ficar doente tantas vezes, acabo por facilitar e deixo-o não comer o que não gosta.”

A escola é outro ponto onde, muitas vezes, as crianças levam a melhor em relação aos pais. Como afirma João Bismark, “há pais que continuam a deixar os filhos ficar em casa, a impedir que estes regressem à escola mesmo quando já estão bons”.

Sofia Neves assume que, devido à facilidade e ao apoio dos pais, já deixou Miguel ficar em casa mesmo tendo noção que a doença tinha passado. “Ele queixa-se, diz que tem dores de barriga, e eu percebo que está a fazer de conta. Mas também penso muitas vezes que acabou de ficar bom e que, na escola, há o perigo de uma recaída.”

Pode a ansiedade dos pais prolongar a doença dos filhos?

Muitas vezes, o aspeto psicológico desempenha um papel fulcral nas nossas vidas, até mesmo na recuperação de uma doença. Caso contrário, o famoso efeito placebo não faria qualquer sentido. No entanto, podem os fatores psicológicos, tais como a ansiedade e nervosismo de muitos pais, afetar uma criança ao ponto de atrasar uma recuperação?

“Estes são os 10 maiores erros que os pais cometem connosco, adolescentes”

João Bismark nega que tal seja possível. “A ansiedade dos adultos não impede a recuperação de uma gripe, por exemplo, as crianças não vão ter mais dias de febre porque os pais estão nervosos.”

No entanto, o especialista realça que, o que os pais às vezes não percebem, é que os miúdos já recuperaram. “Continuam a medicá-los, a impedi-los de ir à escola e a fazerem-lhe as vontades todas”, conclui o pediatra, que afirma que embora os sintomas da doença não se mantenham, as limitações e os aspetos à volta desta, como os direitos especiais, “podem perdurar se os pais não se aperceberem”.