Porque é que a Baixa-Chiado é a pior estação de metro de Lisboa

Palavra de quem passa por lá todos os dias: atravessar esta estação pode ser violento, desesperante ou simplesmente impossível.

As escadas estão frequentemente avariadas

Ingolf/Flickr

“Próxima estação: Baixa-Chiado”. É neste momento que sinto a descer sobre mim as jardineiras azuis e o chapéu vermelho do Super Mário. Levanto-me, aproximo-me da porta e seguro a mala com força. Loading. A aventura está prestes a começar — assim que as portas abrirem, dá-se início a um dos jogos mais emblemáticos da história, versão Marta Miranda tenta chegar ao trabalho sem morrer ou ficar com uma lesão permanente.

Ainda me recordo da alegria que senti quando percebi que iria voltar a trabalhar no centro de Lisboa. Depois de quase um ano numa área sobretudo residencial e empresarial, a ideia de regressar ao Chiado deixou-me em êxtase. “Não é no Chiado, é no Bairro Alto”, alguém me recordava nesse momento. “É tudo a mesma coisa”, respondia eu. “Melhor ainda”.

Pobre criança ingénua. Nessa altura, nesse agora tão longínquo mês de janeiro, eu ainda não sabia que existia uma diferença abismal entre trabalhar no Chiado ou no Bairro Alto, que é como quem diz sair na direção Largo do Chiado ou Rua do Crucifixo. E a diferença, caros leitores, é que o meu trajeto de chegada ao trabalho tornou-se num verdadeiro jogo de sobrevivência.

O loading termina, as portas abrem-se e o Super Mário que há dentro de mim assume o comando. Tal como num verdadeiro jogo de plataforma, o primeiro objetivo é conseguir chegar às escadas rolantes sem ser aniquilada por nenhum inimigo. E quem são os inimigos? Há vários, mas os primeiros (e extremamente perigosos) são os turistas. São eles que, assim que as portas se abrem, saem do metro e param no meio da plataforma, sem saber para onde irem.

Nada contra turistas: sejam bem-vindos ao nosso País, divirtam-se e sejam felizes. Só não se iludam com as suas expressões confusas e olhos doces. Numa altura em que já estamos com a primeira metida, e queremos passar à frente do maior número de pessoas possível para evitar subir o primeiro lance de escadas como se estivéssemos numa procissão, eles tornam-se num obstáculo. É preciso contar com paragens abruptas, viragens rápidas e muitos jogos de pés. É quase como uma dança, Super Mário style.

O segundo inimigo são as pessoas que conseguem andar ainda mais rápido do que eu. Considero-me extremamente veloz, mas há verdadeiros Beep Beeps por aí. E não se iludam, eles têm todas as formas e feitios — tanto podem ser empresários engravatados na casa dos 40 anos como adolescentes rebeldes com uma mão a segurar as calças. Podem ser ainda mais perigosos do que os turistas: são eles que, de rompante, nos podem atirar ao chão.

Conseguir chegar às escadas sem nenhum encontrão é concluir o primeiro nível com sucesso. Infelizmente ainda faltam mais uns quantos: por mais rápida que seja a atravessar o primeiro desafio do jogo, há sempre uma multidão à minha espera nas escadas. E isto implica abrandar o ritmo e enfrentar os dois inimigos anteriores — os turistas e os Beep Beeps.

Terceiro nível: a corrida para ver quem é que chega mais rápido aos torniquetes. É vê-los (ver-nos, na verdade) a correr, sem nunca correr na verdade. Estes momentos deveriam ser gravados e guardados para a posterioridade. A vida selvagem pode proporcionar-nos momentos de grande emoção, mas poucos se comparam à rapidez com que o ser humano consegue correr sem nunca chegar a correr. BBC Vida Selvagem, onde andas tu?

O pior nível de todos: as escadas rolantes sempre avariadas

Depois de mais uma fila para passar o bilhete e finalmente sair do metro, o derradeiro desafio: as escadas rolantes. É tempo de respirar fundo e escolher entre demorar aproximadamente 45 minutos a subir os quatro lances de escadas rolantes do lado direito, aka parado, ou enfrentar a possibilidade de ter um ataque cardíaco e correr escadas acima. Não há uma resposta certa — todos os dias tomo uma decisão diferente, e todos os dias me arrependo.

As escadas rolantes são um assunto complexo. Mesmo que a decisão seja permanecer do lado direito, há sempre uma escadaria avariada. Portanto, em aproximadamente cinco em cada sete dias da semana, os preguiçosos têm de se preparar para pôr as pernas a mexer. E agora vamos sair do registo humorístico, porque a questão das escadas sempre avariadas é complexa e levanta diariamente muitos problemas. E não é a mim que me refiro.

Quando há um, dois ou até mesmo três lances de escadas avariadas, eu bufo, faço cara de má, se calhar até deixo sair uma asneira. Mas nunca é um verdadeiro problema. Infelizmente, outras pessoas não podem dizer o mesmo. Esta segunda-feira, uma senhora idosa de muletas estava no fundo das escadas a falar com uma rapariga, perguntando-lhe onde é que ficavam os elevadores. Ela disse-lhe que não havia elevadores, e a pobre mulher ficou em choque. O primeiro lance de escadas estava avariado. Como é que ela iria conseguir sair da estação?

Foi o rosto daquela mulher que me fez querer escrever este texto. Infelizmente, o problema das escadas rolantes sempre avariadas é bastante frequente na Baixa-Chiado. E não deve ser certamente uma situação nada fácil de gerir para o Metro de Lisboa, atendendo à quantidade de pessoas que passa por ali todos os dias. A par disso, o facto de a maior parte das pessoas (portanto, do peso) se concentrar do lado direito, certamente que não pode ajudar. Mais: atos de vandalismo também são frequentes, o que obriga a paragens forçadas.

Não é certamente simples resolver este assunto. Só que a ausência de um elevador até à superfície, a par com a quantidade de turistas e lisboetas que usam a estação todos os dias, levantam um enorme problema. Aquela mulher que vi na segunda-feira provavelmente não conseguiria subir as escadas. Talvez tenha sido obrigada a voltar para trás.

Isso é terrível. Mas também é terrível ver mães a lutarem com carrinhos de bebé, às vezes com as crianças lá dentro. Idosos a subirem lentamente os degraus, um a um, agarrados a um corrimão. Pessoas cheias de sacos, vergadas ao peso que carregam. Pois é, não é fácil para mim atravessar todos os dias a estação da Baixa-Chiado. Infelizmente, há quem sofra muito mais do que eu.

A estação do demónio, como foi carinhosamente apelidada por mim, consegue ser ainda pior em dias de chuva. Aí vemos surgir um novo inimigo, que vem na forma de um boss super-poderoso (os nerds dos jogos como eu irão entender o trocadilho): as pessoas de guarda-chuva na mão. Nem tenho palavras para o perigo que representam. Porquê? Porque nunca sabem manter o guarda-chuva numa posição vertical, optam sempre por uma inclinação ligeiramente na horizontal. Não sejam rápidos a fugir deles e vejam o que vos acontece.

Este texto não é um ataque ao Metro, até porque com exceção da questão do elevador, não há nada que possam fazer. Também não é um ataque aos turistas, Beep Beeps, maratonistas ou proprietários de guarda-chuvas — já todos nós fomos pelo menos uma vez na vida um deles. É apenas um desabafo de quem anda muito de metro e nunca conheceu uma estação tão complicada como esta.

E a seguir a sair da estação? Vem a pior passadeira de Lisboa

A parte positiva é que em seis meses sinto que melhorei bastante os meus reflexos, até porque o meu jogo não termina com a chegada à superfície. Quem trabalha no Bairro Alto como eu saberá certamente que a seguir à estação, vêm novos obstáculos — nomeadamente a passadeira mais perigosa de Lisboa, de acesso ao Largo de Camões, onde se juntam verdadeiros kamikazes (os que se atiram para a estrada), acrobatas (os que fintam os carros) e despistados (os que demoram cinco minutos a começar a andar depois de o sinal ficar verde).

Logo a seguir vem o elétrico, mais um obstáculo devido à quantidade de pessoas que se aglomera no passeio para tentar entrar, logo a seguir a Manteigaria (o mesmo problema, desta vez para comer pastéis de nata). E antes que o inferno termine, ainda há que conseguir subir a rua sem cair na tentação de caminhar pela estrada. Tendo em conta o número de pessoas, as discrepâncias de ritmos e os passeios tão, tão pequenos, não é mesmo nada fácil.

Ainda assim, faço uma ressalva positiva: para quem anda na Linha Verde há tantos anos, ter finalmente seis carruagens é um alívio. É verdade que agora que moro em Arroios não me dá lá muito jeito ter a estação fechada, no entanto é um alívio poder ir quase sempre sentada. Ou de pé mas com direito a espaço pessoal. Andar de metro está mais fácil, infelizmente o mesmo já não se pode dizer de sair de lá. Pelo menos na Baixa-Chiado. E acho que me estou a esquecer de alguma coisa, mas tenho um metro para apanhar. Quando dentro de dez minutos estiver dentro da estação, tenho a certeza de que me vou lembrar de algum inimigo que ficou esquecido.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]