Crítica. Não posso esquecer as almofadas do Puralã

, por Marta Gonçalves Miranda