Depois de “Death Note” e “FullMetal Alchemist”, a Netflix parece querer continuar a apostar num catálogo diversificado e completo e nada melhor do que anunciar um novo live action para deixar os fãs agarrados ao serviço. Foi na quarta-feira, 23 de maio, que a plataforma de streaming anunciou a adaptação de “O Corcunda de Notre Dame”, escrita em 1831, por Victor Hugo — e vai ter tudo aquilo a que o filme da Disney teve direito.

A história será muito semelhante à original e acompanha a figura de Quasimodo, a personagem central da história que se vê envolvido numa série de reviravoltas com muitos perigos depois de se apaixonar pela cigana Esmeralda.

Nesta nova produção, Idris Elba (“Luther”), vencedor de múltiplos Globos de Ouro, não só dará vida a Quasimodo, como ainda estará responsável pela realização e produção da série. O ator, que já tinha trabalhado antes com a Netflix para a produção do filme “Beasts of No Nation”, também estará envolvido na criação da banda sonora para o musical da adaptação cinematográfica.

Em exclusivo à publicação “The Hollywood Reporter”, a produtora Green Door — a produtora de Elbra —, descreveu um projeto como uma “experiência completamente musical e sonora.”

As imagens curiosas dos bastidores de “Deadpool 2” para se preparar para o regresso do filme aos cinemas

O guião conta com a autoria de Michael Mitnick, o mesmo responsável por filmes como “Vinyl” e “The Giver — O Dador de Memórias”. A Elba, na equipa de produção, juntam-se também Fred Berger (“La La Land: Melodia de Amor”), Brian Kavanaugh-Jones (“Midnight Special”) e Ana Garanito (“In the Long Run”).

“O Corcunda de Notre Dame” é a mais recente aventura de Elba atrás das câmaras. O ator britânico estreou-se enquanto realizador na última edição do Festival Sundance de Cinema com o filme “Yardie”, e criou também a série “Turn Up Charlie” em exclusivo para a Netflix, onde também será protagonista.

Ainda não há data de estreia para a adaptação da história mais famosa de Victor Hugo, que ficou conhecida pela adaptação da Disney, em 1996 e que, recentemente, se transformou numa peça de teatro musical que está a ser apresentada um pouco por todo o mundo.