Para além do amor, existem muitos outros fatores que podem contribuir positiva e negativamente para a saúde de um relacionamento amoroso. Gostos parecidos em música, cinema e atividades, crenças e ideais semelhantes e traços de personalidade complementares são alguns deles — e, segundo um estudo divulgado recentemente, o salário que traz para casa no final de cada mês também faz parte da lista.

Conduzido por Patrick Ishizuka, um investigador da Universidade de Cornell, no estado de Nova Iorque, esta investigação concluiu que quando um casal tem um salário igual ou semelhante, as hipóteses dessa relação se transformar num casamento aumentam exponencialmente, bem como a longevidade do relacionamento.

As discussões sobre dinheiro são frequentes nos casais — mas podem ser evitadas

Não é preciso ter uma grande experiência em relações para sabermos que o fator dinheiro causa muitos conflitos entre os casais. Afinal, a quantidade de euros que recebemos mensalmente afeta diretamente a nossa vida e, consequentemente, a vida do nosso parceiro se tivermos uma relação séria e com objetivos a longo prazo.

Estudo. Lavar a loiça é a tarefa doméstica que gera mais problemas entre os casais

Poupanças para um casamento, para comprar uma casa, para férias ou mesmo o dinheiro que têm disponível para jantar fora no próximo fim de semana, tudo isto são fatores a ter em conta quando se discutem finanças num contexto conjugal. No entanto, segundo o mesmo estudo, quando os casais possuem ordenados equiparados estes temas tornam-se mais fáceis de gerir.

“A igualdade parece promover a estabilidade”, afirmou o investigador que conduziu o estudo à ScienceDaily, que acrescentou que “a semelhante contribuição financeira de ambos os elementos do casal pode mantê-los juntos”, dado que contribuem com a mesma quantidade de dinheiro e nenhum dos dois se sente superior ou inferior.