Já pode fugir dos 707 e outras linhas de valor acrescentado

Números começados por 707, 708 ou 808 são cobrados na fatura. Mas por detrás dessas linhas há números fixos para os quais pode ligar.

As linhas de valor acrescentado têm números fixos associados que, geralmente, não estão ao alcance do utilizador comum para obrigar ao pagamento da chamada

Escolheu o melhor tarifário que lhe oferecia milhares de minutos de chamadas, aplicações à borla e tudo o que há de fantástico no mercado das operadoras móveis. No final do mês recebe o extrato das comunicações em casa e agora é que são elas. Julgava que tinha chamadas grátis para todos os números mas esqueceram-se de lhe dizer que as linhas de valor acrescentado não estão incluídas nessa lista.

É muito provável que já se tenha visto numa situação em que tinha de ligar urgentemente para uma empresa prestadora de serviços e reparou que as linhas de apoio tinham números começados por 708 ou 708. Isto significa que estas chamadas têm custos variáveis e são mais caras do que uma chamada local.

Segundo a Autoridade Nacional de Comunicaçãoes (ANACOM), o valor máximo estabelecido por lei é de 0,10€ e 0,25€ mais IVA para a rede fixa e móvel, respetivamente.

Assim, é confrontado com duas opções — ou liga, assumindo derrota, e não se surpreende com o valor cobrado a mais na fatura no final do mês, ou decide não fazer a chamada, arriscando-se a não ver a sua dúvida esclarecida no momento.

Graças a Marco Almeida, agora já tem uma alternativa. Surpresa das surpresas: muitos destes números têm um contacto fixo associado, que recebe as chamadas que são automaticamente reencaminhadas pela linha de valor acrescentado. Estes números não estão, por norma, ao alcance do utilizador comum, o que obriga o cliente a pagar pela chamada.

Para que isto nunca mais seja um problema, nasceu a 707.pt, uma plataforma online que tem como objetivo tornar públicos os números fixos por detrás destas linhas.

“Não raramente temos necessidade de falar com o apoio ao cliente de empresas, das quais somos clientes, às vezes por questões da responsabilidade da entidade em causa, e somos obrigados indiretamente a financiar os custos com a operação do call-center, através do que nos é cobrado pela chamada telefónica”, lê-se no site oficial do projeto.

A utilização é simples e basta que pesquise pelo nome da empresa ou pelo número 707 ou 708 que deseja contactar. Também é possível uma filtragem por setor de atividade ou ver os números que foram recentemente adicionados à base de dados da plataforma.

Mas o site foi também pensado no espírito de entreajuda entre utilizadores, uma vez que disponibiliza uma ferramenta de sugestão de contactos alternativos às linhas de valor acrescentado. Para isso, é necessário o preenchimento de um breve formulário que depois será analisado pelos responsáveis do projeto.

A ideia é garantir que a informação submetida está correta e pode ser partilhada com os utilizadores que utilizam diariamente a plataforma digital.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]