Na Finlândia, os pais passam mais tempo com as crianças em idade escolar, do que as mães, diz relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE). A diferença é em média de 8 minutos. Este é o único país do mundo que apresenta estes resultados. Para além disto, foi considerado o país mais feliz do mundo, segundo os dados do World Happiness Report, que sairam durante o mês de março deste ano, 2018. Como é que estes pais conseguem?

World Happiness Report saiu no dia 14 de março

Becca Tarter/ Unsplash

A resposta não se liga apenas aos pais, ou às medidas governamentais, ou até mesmo às mães. É a combinação de uma série de fatores. Na Finlândia, ao contrário da maioria dos países, não se trata dos direitos da mãe, dos direitos do pai, ou apenas dos direitos de género. Trata-se sim dos direitos das crianças. As decisões são tomadas pensando sempre naquilo que é melhor para os filhos. Ainda que estes dados sejam uma conclusão favorável à igualdade de géneros, o que os motiva é o bem-estar das crianças, palavras de Annika Saarikko, ministra da Família e dos Serviços Sociais, que defende que este tipo de discussões deve defender os direitos das crianças de puderem estar com os dois pais.

Portugal surge a meio da lista no que diz respeito à duração das licenças de paternidade dos vários países do mundo

Jonas Kakaroto/ Unsplash

Neste país nórdico, quando um bebé nasce, o pai pode beneficiar de uma licença de nove semanas, com 70% do salário. Sendo um dos países com maior licença paternal, em segundo lugar, logo depois da Eslovénia com 10 semanas. Já em Portugal, os pais têm um período de 20 dias obrigatórios e 5 facultativos.

Para as crianças, a presença do pai nos primeiros meses de vida, bem como nos seguintes, é essencial para o desenvolvimento equilibrado. A psicóloga Sofia Santos explica que “uma criança acompanhada pelos dois pais tem maior estabilidade emocional, figuras de referência masculina e feminina, sente uma maior segurança interior, bem como maior capacidade de socialização e integração. Também se verifica uma diminuição dos medos da perda e maior capacidade de concentração.”

A Finlândia é o país mais feliz do mundo

Logo após ter celebrado cem anos de independência em 2017, este país do norte da Europa foi considerado o mais feliz do mundo, pelo World Happiness Report 2018. O relatório foi feito com base nos valores do PIB, dos apoios sociais, expetativa de vida saudável, generosidade, liberdade social e ausência da corrupção. A Finlândia destronou a Noruega, que em 2017 levou o titulo.

Portugal subiu de 89º em 2017, para 77º, no World Happiness Report

Blaise Vonlanthen/ Unsplash

Ainda sobre a Finlândia, a revista The Economist considerou este país o terceiro melhor para se ser uma mãe que trabalha fora. Aliado ao lugar de destaque que ocupa por ser um dos países com maior nível de igualdade, ou à educação de excelência reconhecida em todo o mundo.