A frase cliché de que “a idade é apenas um número” pode ser verdade em alguns casos, mas será que se aplica ao mundo da moda? Principalmente quando falamos de mulheres, será que a idade é apenas um número ou é o que dita realmente o tempo de vida da sua carreira?

Foram algumas das perguntas que a modelo alemã Heidi Klum fez no programa “The Ellen Show”, depois de ter sido alvo de inúmeras críticas por ser a cara (e corpo) da nova campanha da sua marca Heidi Klum Intimates, aos 44 anos.

Existe então uma data de validade para as mulheres na moda?

“Não acho que haja uma validade. A moda não é fechada. Não há regras. A moda segue tendências. Nos anos 90, por exemplo, em Portugal, as mulheres desfilavam até mais tarde, porque não havia muitas modelos. Hoje, com a quantidade que há, já não é assim e os criadores preferem as mais jovens, com pele brilhante, que é normalmente até aos 25 anos, e corpos magros”, respondeu à MAGG Hélio Bernardino, Diretor da agência Elite Lisbon.

Sofia Aparício, 47 anos, surge pontualmente nas passerelles. Aqui, no desfile de Filipe Faísca / Rui Vasco

As modelos começam agora também a trabalhar cada vez mais novas, muitas desde os 14 anos, por isso, acabam por conseguir ter uma longa carreira. Carreira esta que em passerelle habitualmente termina entre os 25 e os 30 anos, no caso das mulheres e muitas vezes até aos 40 ou mais, no caso dos homens. Porquê esta discrepância?

António Romano, ex-modelo e Diretor da agência Central Models, apelida este fenómeno de Efeito George Clooney. “Criou-se a imagem de sex symbol à volta do ator e, de repente, o cabelo grisalho virou o símbolo de beleza masculina. Isso tem levado a uma maior procura de homens com esse aspeto físico para muitas campanhas e até desfiles. Em Portugal, temos o exemplo do José Mourinho.”

Tendências. Cabelos compridos e lisos dão lugar a cortes curtos e cheios de movimento

E o mercado português, tem espaço para mulheres acima dos 30?

Não, segundo Elsa Gervásio, ex-modelo e Diretora da agência L’Agence. “Em Portugal, não há mercado para mulheres mais velhas. Acho que as modelos devem continuar a trabalhar até se sentirem bem a fazê-lo, no entanto, uma mulher na casa dos 30 não consegue viver apenas da moda. Tem que entrar numa vertente mais comercial, ou seja, de publicidade. Aí sim, há espaço para mulheres de todas as idades. Aliás, vemos muitas campanhas com avós, por exemplo.”

E esse é exatamente o caminho que a maioria das modelos acaba por seguir. O comercial e ou o da representação, mesmo que a par com a moda, como é o caso da Joana Freitas, Sofia Aparício ou Evelina Pereira.

Houve já algumas marcas, como a Zara, que recentemente optaram por modelos mais velhas, na casa dos 40 anos, mas apenas para fotografia.

Se nas semanas de moda nacionais e internacionais se vê cada vez mais mulheres mais novas, com 15 ou 16 anos, a desfilar, haverá margem para se ver mulheres de 40 ou 50 anos nas passerelles?

“O que por vezes acontece são participações pontuais e especiais de modelos mais velhas e com um nome sonante, a desfilar para determinada marca, e aí voltamos então a ver caras conhecidas e mais velhas que normalmente não vemos nas passerelles. Acho que mais do que isso será difícil.”, afirmou Hélio Bernardino à MAGG. Participações como a de Carla Bruni, Claudia Schiffer, Naomi Campbell, Cindy Crawford e Helena Christensen no desfile primavera/verão 2018 da Versace, que marcaram a semana de moda de Milão, e que nos fazem até lembrar o videoclipe de “Freedom” de George Michael.

Carla Bruni, 50, Claudia Schiffer, 47, Naomi Campbell, 47, Cindy Crawford, 52, e Helena Christensen, 49

Xana Nunes, ex-modelo e Fundadora e Diretora Criativa da XN Brand Dynamics, apesar de saber que há trabalhos que são adequados mais para uma idade do que para outra, não acredita numa validade, nem nas modelos, nem em ninguém. “Essa foi uma das razões que me levou a nunca me ter despedido, mesmo quando deixei de trabalhar como modelo. Nunca se sabe se um dia me apetecerá fazer uma campanha com a qual me identifique. Acho que a Heidi Klum foi espertíssima e se calhar ainda roubo a ideia, mesmo aos 53 anos! ”.

Aliás, apesar de ter feito o último desfile profissional por volta dos 26 anos, aceitou o desafio de desfilar novamente na Moda Lisboa já perto dos 40 anos.

“Estou sempre a dizer à Xana Nunes que devia continuar a trabalhar como modelo, até aos 150 anos. Continua linda e podia perfeitamente continuar no ativo”, disse Hélio à MAGG. Ao que Xana Nunes reagiu “Até aos 150 anos não diria, mas ao facto de poder voltar a fazer trabalhos como modelo, nunca digo nunca.”

Xana Nunes há uns anos atrás e agora, com 53 anos

Hipótese que António Romano também não exclui: “Agora com as redes sociais, às vezes entre nós, ex-modelos, falamos na ideia de podermos criar um momento em que todos voltássemos a desfilar juntos. Pode ser que aconteça, quem sabe?”.