Aprenda a ler os rótulos dos produtos de beleza

Têm designações incompreensíveis para a grande maioria dos consumidores. Saiba o que ler com atenção.

Não deixe embalagens abertas por muito tempo pois podem perder propriedades

André Abrantes/ MAGG

Com tanta variedade disponível, de todas as marcas, preços e feitios, saber ler um rótulo de um produto de beleza é importante para ter a certeza que está a fazer uma boa compra.

Existem algumas ideias pré-concebidas que muitas vezes não são as mais corretas. Por exemplo, olhamos quase sempre de soslaio para a presença de conservantes nos artigos, certo?  Mas os conservantes (desde que autorizados) não são prejudiciais à saúde, garantem que o produto está mais protegido e que a sua utilização, depois da abertura da embalagem, é mais segura e duradoura — mas se tiver pele sensível, prefira produtos sem estes componentes, sempre que possível.

Mesmo que um produto seja português, é obrigatório que a composição seja sempre descrita em inglês. Por outro lado, mesmo que existam informações noutras línguas, um produto comercializado em Portugal tem obrigatoriamente de conter diretrizes em língua portuguesa.

O que não deve usar conforme o tipo de pele

 

O diagnóstico do tipo de pele, bem como o aconselhamento correto sobre os ingredientes a evitar, devem ser determinados caso a caso pelo médico dermatologista.”Mas em determinados tipos de pele, existem componentes que podem ter efeitos indesejados, devendo ser evitados”, salienta a especialista.

Pele oleosa e acneica: evitar produtos que contenham óleos, silicones (dimethicone, dimethiconol, dimethicone copolyol, cyclomethicone, phenyl trimethicone) e petrolatos (petroleum jelly, petrolatum, mineral oil). “Estes ingredientes formam uma barreira oclusiva na superfície da pele, que pode obstruir os poros e desencadear e/ou agravar a acne”, alerta a especialista.

Pele sensível: evitar produtos que contenham substâncias irritativas para a pele, como álcool, perfumes, determinados ingredientes anti-envelhecimento (como retinóides, alfa-hidroxiácidos), conservantes (parabenos, metilisotiazolinona) e sulfatos (sodium lauryl sulphate, sodium laureth sulphate). Helena Toda Brito realça que “os perfumes e conservantes, para além de serem potencialmente irritativos para a pele, são os principais responsáveis por reações alérgicas aos cosméticos”.

Pele alérgica: em caso de reação alérgica, “é importante realizar testes epicutâneos para determinar qual ou quais os ingredientes específicos responsáveis pela alergia, e que devem ser evitados futuramente”, conclui a dermatologista.

Os produtos cosméticos comercializados em Portugal estão sujeitos a uma legislação europeia rigorosa, que determina quais as substâncias que podem ser utilizadas e, caso existam, quais as restrições à sua utilização (como a concentração máxima, menção obrigatória no rótulo, etc).

“Uma vez que só é permitida a utilização de substâncias incluídas nas listas aprovadas, não podemos falar em ingredientes proibidos ou perigosos”, adiantou à MAGG Helena Toda Brito, dermatologista no Hospital Lusíadas Lisboa.

Para além de saber ler um rótulo, é importante que também tenha em consideração que existem pequenos detalhes a que deve estar atenta: na compra de cosméticos, prefira sempre produtos em bisnagas a boiões (que estão mais sujeitos a contaminações); respeite a validade dos produtos; evite colocar cosméticos na casa-de-banho, locais onde existem mais riscos de contaminação devido aos microorganismos habituais destas divisões, e não guarde produtos abertos por muito tempo.

Esta última afirmação é de especial importância, dado que depois da primeira utilização, os cosméticos entram em contacto com o oxigénio e este facto pode provocar oxidação e levar a que as substâncias percam as suas propriedades. Posto isto, desista (mesmo!) da ideia de guardar protetores solares de um verão para o outro.

Tenha cuidado com as temperaturas a que guarda os seus produtos de cosmética (nem muito frio, nem muito quente), evite alterações bruscas das mesmas e, sempre que utilizar produtos abertos há algum tempo, cheire e avalie a cor antes de os colocar em contacto com a sua pele.

O que deve constar num rótulo de produtos cosméticos?

Função do produto
Sempre que não seja óbvia, a função deve estar sempre assinalada. Afinal existem no mercado muitos produtos idênticos e é fácil confundir um lápis de olhos com um lápis de contorno de lábios, por exemplo.

Validade
O prazo de validade varia em função do tipo de cosméticos. Os mais frágeis como cremes depilatórios, cuja validade absoluta é inferior a 30 meses, deverão ter uma indicação de data.

Já a maioria dos produtos de beleza disponíveis no mercado possuem a sigla AA (após abertura), com a letra M (meses) ou A (anos) seguida de um número indicativo. Ou seja, um produto com a indicação AA: M12, por exemplo, deverá ser utilizado nos 12 meses seguintes a ser aberto. Como indicação complementar, algumas marcas poderão afirmar que esta informação de data é válida desde que o produto seja guardado num lugar fresco e seco.

Composição
É uma das partes mais importantes de saber ler um rótulo mas, a não ser que tenha uma licenciatura em química, é bem provável que não consiga identificar todos os componentes. No entanto, esta informação é bastante pertinente dado que permite a técnicos e autoridades identificar possíveis irregularidades apenas com uma leitura.

A lista de componentes também evita confusões entre sinónimos em produtos que afirmam ter várias substâncias ativas que, na verdade, são apenas uma (a vitamina E, por exemplo, pode ser apelidada de tocofenol, alfa-tocofenol e outras designações mais complexas).

Todos os ingredientes devem estar distinguidos e ordenados por ordem de concentração, identificados por uma designação internacional: INCI (International Nomenclature of Cosmetic Ingredient) – sistema que permite classificar os mais de 12 mil ingredientes que podem entrar na composição de um produto de cosmética.

Os batons são dos produtos mais sensíveis ao calor excessivo. Principalmente no verão, guarde-os num local fresco (se não quiser que estes derretam)

Gustavo Spindula/ Unsplash

A água é quase sempre um dos maiores constituintes deste tipo de produtos e surge habitualmente em primeiro lugar. Já em último, encontram-se letras seguidas de números que indicam os ingredientes usados como corantes ou conservantes, também estes apresentados segundo uma escala internacional. E se der por si a tentar entender o que são aqueles nomes complexos e desconhecidos, saiba que na sua maioria se tratam de componentes para estabilizar cosméticos.

Sempre que utilizar um produto de beleza novo, passe uma pequena quantidade numa zona mínima, como o interior do seu pulso, para ter a certeza que não desencadeia  nenhuma reação alérgica. Existem substâncias como o retinol e o ácido lipóico, muito utilizadas em produtos de prevenção do envelhecimento, que podem ser mais agressivas para a pele.

Índice de proteção
São muitos os produtos que nos protegem contra o efeito das radiações UV. Para além dos protetores solares, os cremes hidratantes, bases e protetores labiais também já contêm índices de proteção. Dê-lhes sempre preferência, dado que a proteção solar deve ser uma constante durante todo o ano, e ao escolher protetores, tenha em mente o seu tipo de pele, idade e fototipo (como é que a sua pela reage à exposição solar, por exemplo o fototipo 1 com a pele branco pálido nunca bronzeia, queima-se sempre e é muito sensível à radiação solar). Recorde-se que os índices são representados por números proporcionais à capacidade de proteção (se a sua pele demora cinco minutos a sofrer os efeitos do sol e utilizar um protetor com factor 15, a pele fica protegida por 15 vezes mais tempo, ou seja, 75 minutos).

Conteúdo
Os produtos de cosmética representam o seu conteúdo em gramas ou miligramas, exceto produtos com quantidades inferiores a 5ml ou 5gr, como as amostras, que não são obrigados a conter essa informação. Verifique sempre as quantidades para que possa comparar produtos e perceber o que lhe compensa mais.

Número de lote
Esta é uma informação muito válida quando algo corre mal. Afinal, quantas vezes já vimos notícias de retiradas de lotes inteiros do mercado devido a anomalias? Se o produto lhe causou alergias ou está em mau estado, saiba que a informação do número de lote é muito pertinente para esclarecer junto da marca o que se passou.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]